RSSYoutubeTwitter Facebook
Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Versão para impressão


Notícias

07/02/2018 

Itaú lucra quase R$ 25 bi em 2017: banco não tem motivos para retirar direitos dos trabalhadores

O banco Itaú obteve um Lucro Líquido Recorrente de R$ 24,879 bilhões, com crescimento de 12,3%, em relação a 2016 e de 0,4% no 4º trimestre, na comparação com os três meses anteriores. A rentabilidade (Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio Anualizado –ROE) ficou em 21,8%, com aumento de 1,5 pontos percentuais em doze meses.

“Os trabalhadores contribuem para que o lucro do banco não pare de crescer. Não existe motivo para que o Itaú queira retirar direitos dos trabalhadores, ou forçá-los aceitar novas regras que lhes prejudiquem. Os bancários do Itaú se esforçam para que o banco obtenha bons resultados e precisam ser reconhecidos por isso”, destaca Jair Alves, coordenador da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Roberto von der Osten, também destacou a responsabilidade social do banco. “O Itaú é um dos entusiastas, quem sabe até patrocinador, da reforma trabalhista. Um dos argumentos utilizados para a aprovação da reforma foi o de que haveria criação de novos postos de trabalho. O banco deveria cumprir seu papel social e promover uma grande contratação de funcionários”, cobrou. Com o anúncio do balanço, a Contraf-CUT já solicitou ao banco a antecipação do pagamento aos trabalhadores da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), assim como o Bradesco já anunciou que fará.

O coordenador da COE do Itaú também observa que, o banco consegue pagar todos os custos que tem com os trabalhadores e ainda sobra 60,2% das receitas obtidas por meio da prestação de serviços e com as tarifas bancárias, sem contar outras receitas com as demais operações realizadas. Somente com prestação de serviços e tarifas o banco arrecadou R$ 35,8 bilhões em 2017, um crescimento de 7,7% em relação ao ano anterior. Enquanto isso, as despesas com pessoal cresceram apenas 4,3%, no mesmo período.

“As tarifas cobradas dos clientes são muito altas, anda mais se observarmos que muitas vezes os serviços são realizados por eles próprios. O banco deveria contratar mais funcionários para que seus clientes recebessem atenção humanizada”, disse Jair.

Em 2017 o Itaú fechou 133 agências físicas e abriu 25 agências digitais, ou seja, fechou, em média, cinco agências físicas para cada agência digital aberta. Nesta análise não foram considaradas as 71 agências físicas do Citibank.

Clique aqui para ler a análise do balanço feita pelo Dieese/SP.

Fonte: Contraf-CUT
Última atualização: 21/02/2018 às 12:52:03
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras
 

Comente esta notícia

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO CEARÁ
   Rua 24 de Maio 1289 - Centro - Fortaleza - Ceará CEP 60020-001
(85) 3252 4266 / 3226 9194 - bancariosce@bancariosce.org.br
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
  www.igenio.com.br