Ação do Sindicato garante redução da jornada para empregada da Caixa com filhos neurodivergentes

41

Uma bancária da Caixa Econômica Federal no Ceará conquistou uma importante vitória na Justiça para pais de crianças com deficiência. A juíza substituta da 1ª Vara do Trabalho de Maracanaú, concedeu à empregada a redução da jornada de 40h para 30h semanais para acompanhamento dos filhos em terapias referentes ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). A decisão é em primeira instância e ratifica Tutela de Urgência conquistada pela bancária anteriormente. Cabe recurso.

A empregada é gerente de varejo, com 40 horas semanais, e é mãe de três filhos, dois deles diagnosticados com autismo e necessitando de tratamentos multidisciplinares. Dessa forma, a bancária procurou o departamento jurídico do Sindicato, na pessoa da Dra. Roberta Uchoa, que ajuizou ação individual para pleitear a redução da jornada de trabalho para 30h semanais.

A Caixa chegou a alegar que a bancária ocupava a função de forma voluntária e sabia da jornada exigida. Entretanto, a juíza substituta considerou que a redução da jornada é um direito de parentes e cuidadores de crianças com deficiência citando, inclusive, decisões anteriores no Supremo Tribunal Federal, além de fazer alusão à artigos da Constituição Federal, do Estatuto da Pessoa com Deficiência e da Convenção Internacional sobre o Direito das Pessoas com Deficiência, que garantem a igualdade de oportunidade e o direito da assistência dos familiares em tratamentos multidisciplinares.

“A redução da carga horária pleiteada visa viabilizar o acesso dos menores portadores da síndrome do espectro autista aos tratamentos imprescindíveis ao seu desenvolvimento, sendo relevante e absolutamente o acompanhamento da genitora, ora reclamante. A ausência de norma laborista tratando a respeito da adaptação de horário de trabalho para as pessoas com deficiência ou seus responsáveis, quando dependentes, possibilita a aplicação, por analogia (art. 4º da LINDB), do regramento específico da Lei 8.112/1990”, disse a juíza em sua sentença.

“Temos pleiteado junto à Caixa Econômica uma norma que possibilite a redução da jornada de pais de filhos com deficiência, mas até agora, essa discussão não avançou. Essa decisão é muito importante, pois fortalece a nossa luta e reconhece, na Justiça, o direito de assistência dos pais aos filhos que necessitam de tratamentos multidisciplinares, como é o caso da bancária”, destacou o diretor do Sindicato e funcionário da Caixa, Túlio Menezes. “Orientamos que outros pais nessa situação procurem o Sindicato para avaliarmos o ajuizamento de ações semelhantes e garantir esse direito”, completou.

O departamento jurídico do Sindicato funciona na nossa sede, na Rua 24 de Maio, 1289 – Centro, de segunda a sexta, das 9h às 17h.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here