Banco do Brasil descumpre acordo

35

O Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) é reivindicação antiga dos bancários do Banco do Brasil, que conseguiram com que o banco se comprometesse a apresentar uma proposta de PCCS, como fruto da última Campanha Nacional. Entretanto, a instituição, que lucrou R$ 10 bi em 2009, descumpriu o acordo, deixando os trabalhadores “a ver navios”.


“O banco não cumpriu o acordo e o caminho é mobilizar para fazer valer nosso direito, a partir da Campanha Nacional dos Bancários”, disse o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra. Quem também aposta na forte mobilização da categoria é o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, Eduardo Araújo: “é lamentável que o banco esteja preparado apenas para fazer negócios, mas não para resolver os problemas com o funcionalismo e essa postura pode ter reflexo no fechamento do acordo coletivo de 2010”, declara.


Para o funcionário do Banco do Brasil e diretor do SEEB/CE, Bosco Mota, o sentimento é de indignação: “infelizmente, depois de sete anos e meio, o Banco do Brasil mais uma vez desrespeitou os funcionários, não cumprindo o que acordou em 2009”, destaca. A opinião é compartilhada pelo também funcionário do BB e diretor do Sindicato dos Bancários, José Eduardo Rodrigues. Para ele, está na hora de os bancários perceberem que o banco não é o “paizão” que propagandeiam: “é um absurdo que uma instituição que vive do crédito da sociedade brasileira, como o Banco do Brasil, teime em descumprir acordos trabalhistas assinados – PCCS e Plano Odontológico – enquanto seus funcionários vendem até a alma para cumprir acordos de trabalho – metas. Isto é, o BB participa do acordo, mas só um lado tem obrigações – os funcionários. O BB está mais parecido com um padastro que mais bate do que assopra”.

HISTÓRICO DO PCCS – A luta começou em 2003, com a criação de um Grupo de Trabalho. Em 2005, como resultado da Campanha Nacional dos Bancários, o banco se comprometeu a apresentar uma proposta, exposta no ano seguinte, em 2006, e rejeitada, à época, pela categoria. Em 2009, também como conquista da Campanha Nacional, o banco mais uma vez se comprometeu a apresentar proposta, até o dia 30 de junho de 2010. Em dezembro de 2009, os dirigentes bancários se reuniram para discutir as premissas que seriam apresentadas ao banco. Em maio deste ano, o Congresso dos Funcionários do Banco do Brasil resolveu que as premissas deveriam ser precificadas e a proposta está sendo formulada. Em junho, chegado o dia em que o banco cumpriria sua parte no acordo, mais uma vez os trabalhadores viram seus direitos desrespeitados.