Dirigentes sindicais debatem questões de interesse do funcionalismo

34

Dirigentes do Sindicato dos Bancários do Ceará (SEEB/CE) estiveram em reunião com representantes do Banco do Brasil e da Cassi na Gestão de Pessoas (Gepes), dia 3/2. Na ocasião, foram debatidos temas de interesse do funcionalismo, tendo destaque os exames periódicos dos funcionários e as terceirizações.


A questão do deslocamento de empregados, do interior à capital, para a realização de exames periódicos de saúde (EPS) tomou uma atenção maior. O Sindicato levou à mesa denúncias de beneficiários não ressarcidos pelo banco ou pela Cassi, devido aos gastos até o local de atendimento.


O gerente da Cassi, Henio Braga Júnior, reconheceu que o plano é o responsável pelo exame clínico (EPS) e completou que a Caixa de Assistência tem a obrigatoriedade de atender o funcionário onde ele estiver lotado (meta de cobertura de 100%). Os dirigentes sindicais exigiram informações e soluções sobre os exames periódicos, que feitos por usuários residentes no Interior são custeados pelos funcionários, quando os normativos do BB lhes isenta desse custo. Como solução foi proposta pelos dirigentes do SEEB/CE a realização de um mapeamento de rede no interior junto à Cassi.


As terceirizações também foram alvo de debates. Os dirigentes sindicais levaram à mesa denúncias de terceirização dos serviços de cadastro, abertura de contas e empréstimos feitos por agentes de créditos das empresas AIM, Multipague e Facilita. O BB, através da Superintendência, reconheceu a existência dessa prestação de serviço, mas parece esquecer que esses serviços devem ser realizados somente por bancários. Ao admitir isso, o banco entende que há uma demanda de funcionários, no entanto, não chama os concursados do último concurso, realizado em 2007.


Além disso, muitos desses terceirizados, completaram os dirigentes sindicais, não possuem sequer carteira assinada e/ou recebem por variação variável. “No País, há um milhão e duzentos mil empregados no sistema financeiro que não são enquadrados como bancários”, denunciaram. O tema da terceirização ficou de ser novamente debatido na próxima reunião, ainda sem data definida, juntamente com os assuntos da água potável, comissionamentos e jornada de trabalho.

CASSI – Diante da proposta apresentada pelo Sindicato, e cobrança ao banco e a Cassi, sobre a importância de se divulgarem os direitos dos funcionários em gozo de licença de saúde com emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), todos assumiram o compromisso em fazer a divulgação proposta. Entre os principais direitos dos licenciados estão a isenção ao licenciado de pagar co-participação nas consultas, exames e ressarcimento das despesas com medicamentos etc.


É necessário o amplo conhecimento e desses direitos pelo trabalhador, para que o banco construa ambientes de trabalho com qualidade de vida e preserve a saúde. Do contrário, o BB continuará pagando caro por adoecer pessoas. Enfim, nesses casos, o custo final é integralmente do banco. O licenciado não entra com nada e a Cassi é ressarcida totalmente pelo banco.