Sindicato cobra segurança e melhores condições de trabalho

8


O Sindicato dos Bancários do Ceará esteve reunido com representantes do Bradesco na última quinta-feira, 21/3, para tratar das demandas do movimento, entre elas melhores condições de trabalho e de segurança para os bancários. Para os dirigentes sindicais, o tema é de extrema importância e exige urgência, haja vista que os problemas se avolumam e exigem soluções rápidas. A representação do banco analisou os questionamentos e garantiu empenho na solução.


Reivindicações – Na pauta da negociação foram apresentados vários problemas, tais como: assédio moral; cumprimento de metas exorbitantes, carência de empregados nas agências; falta de condições de funcionamento de várias agências, a exemplo de Maracanaú e de vários PAAs; falta de isonomia no tratamento a ex-becistas reintegrados ao Bradesco, que não tem o mesmo nível de acesso ao sistema dos demais bancários; por fim foi pautada a questão da segurança e o descumprimento do Estatuto de Segurança Bancária pelo  Bradesco, a lei nº 9.910/2012, entre outras.


O Sindicato foi representado pelos diretores Gabriel Motta, Robério Ximenes e Rita Ferreira. O Bradesco foi representado pela gerente de Relações Sindicais, Eduara Cavalheiro, o Diretor Regional Leandro Diniz e seu assessor administrativo Antonio José Abreu.


“Foi importante essa conversa com a representante da Matriz do Bradesco e o diretor local, mas esperamos que o banco tenha rapidez nas ações e atenda nossas reivindicações”, explicou o diretor do Sindicato, Gabriel Motta.  No entanto, o diretor avalia que as respostas precisam ser rápidas e positivas, pois o Bradesco não consegue apresentar soluções concretas para as demandas que são objetivas e tempestivas.


Gabriel pontua como muito importante e urgente o cumprimento do Estatuto de Segurança Bancária e a questão enfrentada pelos profissionais transferidos com promoção e a demora na efetivação de tal promoção. “Também enfrentamos um problema sério: a cobrança pelo cumprimento de metas cada vez mais exageradas. Outra questão são as pendências no plano de saúde”, completa Gabriel. Segundo ele, “o banco anotou, ouviu nossas reivindicações e vamos aguardar uma resposta positiva. Já adiantamos que queremos outra reunião para discutir: transporte de valores, treinet e outros assuntos que não podemos tratar nessa reunião”.