Agência do BB de Baturité é destruída e registra o 89º ataque a banco em 2013

6


Mais uma vez a cena se repete. O alvo agora foi a agência do Banco do Brasil do município de Baturité (93 km de Fortaleza). Na madrugada da segunda-feira, dia 29/7, um grupo fortemente armado atacou a agência, levando dinheiro e deixando o prédio destruído por conta do uso de explosivos. Em uma ação ousada e violenta, os bandidos encurralaram a Polícia Militar para invadir a agência que fica localizada no Centro da cidade, em frente à Praça Santa Luzia. A quantia roubada não foi revelada. De acordo com levantamento do Sindicato dos Bancários do Ceará, este foi o 89º ataque a banco no Estado desde janeiro de 2013.


Segundo a Polícia Militar, a ação começou por volta das 3 horas da madrugada, quando o grupo (formado por cerca de 30 pessoas; entre elas, duas mulheres) rendeu os policiais do posto do Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRE), na CE-354; da 2ª Companhia do 4º BPM; da Cadeia Pública e da Delegacia Regional de Polícia Civil. Os bandidos ainda incendiaram dois carros próximos ao quartel da PM para dificultar a passagem das viaturas policiais.


Em seguida, a quadrilha seguiu para a agência, detonou explosivos, invadiu o prédio e alcançou o cofre do banco. Teto, paredes, portas e vidros foram ao chão, comprometendo a estrutura de dois andares. A parede lateral do prédio, na Rua 15 de Novembro, desmoronou, deixando o cofre totalmente exposto para a rua. Ainda de acordo com a PM, o bando estava equipado com coletes à prova de balas, roupas camufladas, fuzis e metralhadoras. Na fuga, houve troca de tiros com policiais e o grupo conseguiu escapar em três veículos. Toda a ação teria durado cerca de 20 minutos. Após intensas buscas, oito pessoas foram presas no dia 30/7 com várias armas em Baturité e municípios vizinhos, em operação realizada pelas Polícias Civil e Militar.


“Esse foi o 89º ataque contra bancos este ano somente no Ceará, contabilizando arrombamentos, assaltos, saidinhas bancárias e outras modalidades de ataque. Em Baturité, foi uma ação audaciosa e devastadora, a exemplo do que aconteceu em Morada Nova e Pentecoste. O Interior do Estado está refém das falhas da nossa Segurança Pública e se tornou um alvo fácil para esse tipo de ação criminosa”, analisa Bosco Mota, diretor do Sindicato.


Dos doze ataques a bancos em julho, sete foram com explosivos


Explodir agência bancária no Interior parece que virou moda. Dos 12 ataques a bancos registrados pelo Sindicato dos Bancários do Ceará no mês de julho, sete resultaram em explosões de caixas eletrônicos ou agências, que geralmente ficam completamente destruídas após a ação. Além da destruição, destas sete unidades atacadas – apenas uma em Fortaleza –, em quatro ações, os bandidos conseguiram levar dinheiro dos cofres ou caixas. O número de ataques supera ainda o contabilizado em julho do ano passado quando foram registradas sete ações.


Além das explosões, o Sindicato contabilizou ainda, de acordo com notícias publicadas na imprensa local, mais dois assaltos (Eusébio e Redenção) e duas saidinhas bancárias (Fortaleza e Lavras da Mangabeira).


Até julho deste ano já foram contabilizados 90 ataques a bancos e/ou cidadãos contra 81 registrados no mesmo período do ano passado, uma média de 12,71 ações por mês. Foram 60 ataques feitos diretamente a bancos ou postos de atendimento bancário e 30 ações contra pessoas – as chamadas saidinhas/chegadinhas bancárias.


Nestes sete meses já foram contabilizados também 27 arrombamentos (que incluem aí as explosões de caixas eletrônicos); 13 tentativas de arrombamentos (explosões e ataques mal sucedidos); 11 assaltos diretos; seis tentativas de assaltos e três ataques a carros fortes/malotes.


BB continua sendo alvo preferido – O Banco do Brasil continua sendo o alvo principal de assaltantes no Estado. Somente no primeiro semestre deste ano foram 38 ataques ao BB, sendo seis em julho. O segundo alvo preferido das quadrilhas é o Bradesco, com 32 ataques, seguido da Caixa Econômica com cinco, Itaú e Santander com três cada e outros/ou não divulgados, sete.