Após pressão dos trabalhadores, governo anuncia que Caixa continua 100% pública

15


O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e a presidenta da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior, concederam entrevista coletiva na quarta-feira, 8/4, para anunciar que a empresa continuará 100% pública. Durante a coletiva, Levy afirmou que “a Caixa continuará sendo uma empresa 100% pública, mas a atividade de seguros que hoje já tem sócios privados nós vamos modificar”. O ministro foi incisivo ao afirmar que não está sendo mais analisada a possibilidade de abrir o capital da Caixa Econômica Federal, que continuará sendo 100% do governo federal.


“A Caixa não se vende” – O anúncio foi comemorado pelas entidades representativas dos empregados da Caixa, pois foi o resultado da mobilização do conjunto dos trabalhadores. Entretanto, os sindicalistas seguiram alertas, discutindo a importância da Caixa para o Brasil e defendendo sempre que patrimônio do povo não se vende.


Para o representante eleito dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Fernando Neiva, “a não abertura do capital da empresa é uma importante vitória da sociedade brasileira, e principalmente dos bancários e bancárias da empresa. A Caixa é importante na condução das políticas públicas e no desenvolvimento das políticas socioeconômica do Brasil”.


Força da mobilização – Durante a luta contra a abertura de capital da instituição financeira pública, foi formado o Comitê Nacional em Defesa da Caixa 100% Pública, integrado pela Contraf-CUT, Fenae, CUT, CTB, Intersindical e CSP-Conlutas, para coordenar a mobilização nacional em defesa da empresa. Dezenas de manifestações foram realizadas em todo o País, convocadas pelas entidades sindicais. Na esfera política, o Comitê Nacional protocolou ofícios nos quais reforçou o pedido de audiência com a presidenta Dilma Rousseff e com o ministro Miguel Rossetto, da Secretaria-Geral da Presidência da República, para cobrar posição oficial do governo.


Nos documentos, as seis entidades lembram que a primeira solicitação foi feita no dia 23 de dezembro, logo que foram veiculadas as primeiras notícias de que o governo estaria estudando a abertura de capital da Caixa. Ofícios reiterando o pedido foram enviados em 9 de fevereiro. Já no dia 6 de março, o Comitê Nacional, após reunião realizada em Brasília, solicitou audiência com a nova presidente do banco, Miriam Belchior.


“Esse recuo do governo representa uma importante vitória para os trabalhadores. Os empregados da Caixa fizeram uma grande mobilização nacional para defender esse patrimônio da sociedade brasileira, que exerce papel fundamental para o desenvolvimento econômico e social do nosso País”
Marcos Saraiva, diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e empregado da Caixa