Após realizar lucros fabulosos, bancos pagam adicional à PLR

22

Os principais bancos privados do Brasil anunciaram balanço financeiro referente a 2006. Tirando as aquisições e os ágios (valor adicional cobrado em operações cambiais ou financeiras), os bancos tiveram aumento em torno de 20% no faturamento. Com isso, o pagamento da parcela adicional da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) deve ser de, no mínimo, R$ 1.000,00. Esse valor pode chegar a R$ 1.500,00.

O Bradesco anunciou um lucro líquido na casa dos R$ 5,05 bilhões em 2006. Segundo o presidente da Contraf-CUT e funcionário do Bradesco, Vagner Freitas, desconsiderando os eventos extraordinários e as amortizações de ágios do primeiro semestre, o lucro do banco atingiu R$ 6,649 bilhões no ano passado, volume 20,5% superior ao de 2005.

O Itaú apresentou no ano passado lucro líquido de R$ 4,31 bilhões, resultado 18% menor que o obtido em 2005 quando são incluídos na conta os efeitos da aquisição de unidades do BankBoston, segundo informou o banco. Excluindo os efeitos da aquisição, o resultado em lucratividade foi positivo em R$ 6,48 bilhões (avanço de 23,4% em relação a 2005).

Já o Unibanco obteve um resultado positivo de R$ 2,21 bilhões em 2006, 20,1% a mais que 2005. O ABN/Amro Real divulgou lucro de R$ 2 bilhões em 2006 no Brasil, um resultado 43% maior do que no ano anterior. Com esse montante o banco entra na regra do adicional à PLR, mas a confirmação do valor a ser pago aos funcionários depende ainda da divulgação do balanço oficial da empresa.

De acordo com a Convenção Coletiva, os bancos que registrarem lucro pelo menos 15% maior do que o resultado obtido no ano anterior, deverão pagar um adicional à PLR de no mínimo R$ 1.000,00 com teto de R$1.500,00. Os bancos que apresentarem crescimento inferior a 15% distribuirão igualitariamente 8% da diferença nominal entre o lucro líquido de 2005 e 2006, com teto em R$ 1.500,00.

PLR – Os bancários do HSBC receberam na terça-feira, 27/2, mais um montante relativo à PLR de 2006, os do Itaú, do ABN/Real e do Santander Banespa, na sexta 23/2. Já o Bradesco pagou dia 16/2 o total de R$ 1.253,50 de parcela adicional, enquanto os trabalhadores exigem R$ 1.500,00. O Sindicato anunciou que realizará manifestações exigindo o pagamento do teto. Na quarta 28/2, os bancários do Unibanco terão o benefício creditado. O BNB divulgou o balanço com provisão de R$ 18,2 milhões para a PLR.

Dieese alerta – Segundo o estudo do Dieese “Os balanços dos bancos e seus reflexos na remuneração variável”, o lucro contábil nem sempre reflete seus resultados efetivos, pois comporta também valores de operações consideradas não-recorrentes. Existem várias formas de se manipular os resultados sem que se caracterize fraude. Segundo o coordenador do Dieese/CE, Reginaldo Aguiar, é necessário que sejam criadas normas para definir o que é lucro e resultado nos balanços dos bancos privados.