Aposentado destaca a importância de ser sindicalizado

37

O bancário do Banco do Brasil, recém-aposentado, Oscar Saldanha, fez uma visita ao Sindicato dos Bancários, ao qual é filiado há mais de 20 anos. Numa conversa descontraída com a Tribuna Bancária e os diretores Plauto Macêdo e Bosco Mota, ambos do Banco do Brasil, Oscar contou sobre os seus planos de vida daqui para a frente e a importância de ser sindicalizado.

Tribuna Bancária – Então o Sr. se aposentou. E agora …

Oscar Saldanha: Trabalhei 30 anos e dez meses no Banco do Brasil, e nesses 30 anos eu estive em sete agências, seis delas como gerente-geral. A primeira em Itapipoca e o restante em Fortaleza. Quando eu comecei, foi num período crítico, de PDV (Plano de Demissão Voluntária). Eu já comecei com essa experiência de vida muito grande.

TB – E quais são as expectativas agora que se aposentou. O que pretende fazer?

Oscar Saldanha: – De imediato, o meu projeto é me envolver, pesado, com a campanha política que vem aí. Eu gosto e como eu participava pouco devido à limitação de tempo, agora vou ser mais ativo. Vou contribuir com a campanha política do Nelson Martins e do Pimentel. Eu conheço os dois há muitos anos e estou satisfeito com o que eles estão fazendo.

TB – O Sr. é sindicalizado há quantos anos?


Oscar Saldanha
: – Sou sindicalizado há mais de 20 anos. Lá em Limoeiro do Norte eu fazia greve, até o período de gerência média eu fazia greve. Quando eu cheguei na gerência, eu não fazia mais greve, porque eu entendo que o gerente é o elo de ligação entre o Sindicato, a Empresa e o funcionário. Mas por eu ter estado do outro lado da realidade, isso me ajudava a conduzir os problemas sem maiores estresses, dificuldades, sem complicar. Porque a greve é um jogo de xadrez: quando você dá um passo, o outro já está preparado. De um modo geral, essa familiaridade com a greve me ajudou.

TB – E qual a importância de ser sindicalizado, de participar do movimento sindical?


Oscar Saldanha:
– A importância de ser sindicalizado é muito grande, enorme. Uma coisa é você sentar numa mesa e “estou representando 100 pessoas”. Outra coisa é você sentar numa mesa e “estou representado 2.000 pessoas”. Aquela pessoa tem referência na representatividade e um peso muito maior na negociação. Então o Sindicato é a representatividade, a atualização no direito trabalhista – que você tem de se atualizar, e o Sindicato está ali para corrigir possíveis defeitos, possíveis falhas, não é?

Plauto Macedo – Oscar, quando você assumiu na Praça dos Correios, o pessoal colocou uma faixa…

Oscar Saldanha: – “Estamos de parabéns! Ganhamos o Oscar”, que era na época da entrega do Oscar, do cinema, né? (risos) Quando a gente chega numa agência, tem duas coisas: ou funcionário está com medo do gerente, não sabe quem é ele, ou o gerente está com medo da equipe, pois não sabe quem são.

TB – Oscar, você queria fazer algum comentário, complementar a entrevista?


Oscar Saldanha:
– Os sindicatos têm atividades diferentes, não têm mais aquela atuação assistencialista. É mais uma consultoria do trabalho e até formação, tanto do empregado quanto do filho do empregado. Então, o Sindicato hoje evoluiu. Alguns podem achar que não, mas o ideal é que o Sindicato esteja sempre nas negociações. O Sindicato é um peso necessário! Quanto mais pessoas se sindicalizarem, melhor. Porque é a via para se ter um sindicato moderno e forte.

Bosco Mota – O Oscar, que sempre contribuiu com o Sindicato, agora vai tirar um período de férias e depois vai fazer o que gosta, trabalhar com política e engrandecer este País.