Assaltos voltam a ser rotina no Interior

36

 A cidade turística de Viçosa do Ceará (distante 349Km de Fortaleza) foi atacada, no fim da manhã de segunda-feira, 4/7, por um bando de assaltantes que invadiu a agência do Banco do Brasil, levou pânico aos moradores, fez reféns, feriu gravemente um policial e fugiu sem deixar pistas. Com esse ataque, agora já são dez bancos assaltados em 2011em todo o Estado.


De acordo com Sávio Dias, chefe da Guarda Civil do Município, pelo menos entre 10 a 15 homens participaram da ação e usaram dois veículos, uma camionete Hilux e um Fiesta que acabaram incendiados na estrada que dá acesso à divisa do Estado do Ceará com o Piauí. Na fuga eles levaram cerca de oito pessoas como reféns, impedido assim o confronto com a PM.


O comandante da viatura do Ronda do Quarteirão, sargento Antônio Carlos Nunes Pierre, foi atingido com um tiro na perna esquerda e a lesão foi bastante grave, sendo necessária a transferência para a Capital. O transporte foi feito em um helicóptero da Ciopaer.


Ainda de acordo com a Polícia, os bandidos portavam armas de grosso calibre, entre as munições encontradas, cápsulas de calibres Ponto 40, 380ACP, 7,65; e 5,56 milímetros, de grande poder de destruição. Segundo testemunhas, parte do bando usava coletes a prova de balas, e capuz, além de farda camuflada. Eles deixaram o banco levando malotes com dinheiro e documentos. Acredita-se que o montante levado seja algo em torno de R$ 200 mil a R$ 300 mil. A gerência do banco assaltado não confirmou a informação.


CARIDADE – Pela décima primeira vez neste ano, bandidos invadem uma cidade do Interior do Estado do Ceará e atacam um posto bancário. A ação agora foi em Caridade (100Km de Fortaleza), por volta de 2h30 na quarta-feira, 6/7.


Cerca de oito homens, fortemente armados, explodiram o caixa eletrônico de um posto de autoatendimento do Bradesco e levaram todo o dinheiro que havia ali. O valor furtado não foi ainda revelado pela Polícia. Conforme o comandante do Policiamento do Interior (CPI), coronel PM Sérgio Costa, outra vez, os marginais escolheram como ‘alvo’ de sua ação uma cidade de pequeno porte e com um reduzido efetivo policial.


Antes de Caridade, o ‘alvo’ dos assaltantes de bancos foram as cidades de Independência (3/3), Miraíma (30/3), Cariús (30/3), Pires Ferreira (2/6), Groaíras (7/6), Limoeiro do Norte (13/6), Parambu (14/6), Lavras da Mangabeira (14/6), Apuiarés (26/6) e Viçosa do Ceará (4/7).


Dos 11 ataques contra bancos no Ceará já registrados neste ano (contra 29 casos em todo o ano de 2010), em seis deles houve uso de artefatos explosivos, nas cidades de Cariús, Pires Ferreira, Groaíras, Parambu, Apuiarés e, hoje, em Caridade.


Pesquisa aponta 20 mortes em assaltos envolvendo bancos no 1º semestre


Nova pesquisa da Contraf-CUT revela que 20 pessoas foram mortas em assaltos envolvendo bancos no primeiro semestre de 2011 em todo País. A maior incidência foi o crime de “saidinha de banco”, que fez 11 vítimas.


“Uma média de mais de três mortes por mês é assustador e preocupante”, avalia o diretor da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, Ademir Wiederkehr. Para ele, “a estatística comprova o descaso e a escassez de investimentos dos bancos em medidas e equipamentos de prevenção contra assaltos e sequestros, bem como revela a precariedade da segurança pública diante da falta de mais policiais e viaturas nas ruas e ações de inteligência para evitar ações criminosas”.


O levantamento, feito com base em notícias da imprensa, mostra que nove clientes perderam as suas vidas em função da violência nos bancos, o maior número entre as vítimas. Também foram mortos seis policiais, um bancário, um vigilante e três outras pessoas.


A maioria das mortes aconteceu no Estado de São Paulo, com 12 casos. Os demais crimes ocorreram no Rio de Janeiro (2), Rio Grande do Sul (1), Santa Catarina (1), Bahia (1), Minas Gerais (1), Pará (1) e Piauí (1).


A estatística também aponta crescimento de 81% das ocorrências em relação a 2010, quando foram contabilizadas 11 mortes. Em todo ano passado, foram apuradas 23 mortes, quase o total de ocorrências verificadas somente nos primeiros seis meses deste ano.


A Contraf-CUT defende medidas preventivas que visem enfrentar a “saidinha de banco”. Segundo o dirigente sindical, “esse crime começa dentro dos bancos e, para evita-lo, é preciso dificultar a visualização de olheiros das operações dos clientes nas agências e postos, através da instalação de divisórias individualizadas nos caixas, inclusive eletrônicos, e biombos entre a fila de espera e os caixas”, destaca.


“Além disso, é fundamental a colocação de portas de segurança com detectores de metais antes do autoatendimento, câmeras de filmagem com monitoramento em tempo real nos espaços de circulação de clientes, nas calçadas e áreas de estacionamento, e vidros blindados nas fachadas”, salienta Ademir.


“Os estabelecimentos não podem continuar vulneráveis, senão expõem ao riso a vida de bancários, vigilantes, clientes e usuários, além de transeuntes e outras pessoas que acabam sendo vítimas de assaltantes, cada vez mais atrevidos e aparelhados, inclusive com uso de explosivos”, alerta o diretor da Contraf-CUT.