Assembleia da Classe Trabalhadora propõe projeto de desenvolvimento

13

Mais de 22 mil trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil estiveram reunidos no dia 1º de junho, durante a Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora. Realizado no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, o evento aprovou a Agenda da Classe Trabalhadora, documento unificado das centrais sindicais com propostas políticas e econômicas que os trabalhadores querem ver implementadas no Brasil no próximo período.


O documento reúne 249 propostas organizadas em seis eixos estratégicos: Crescimento com Distribuição de Renda e Fortalecimento do Mercado Interno; Valorização do Trabalho Decente com Igualdade e Inclusão Social; Estado Como Promotor do Desenvolvimento Socioeconômico e Ambiental; Democracia com Efetiva Participação Popular; Soberania e Integração Internacional; e Direitos Sindicais e Negociação Coletiva.


O evento também comemorou a unidade demonstrada pela participação de cinco centrais sindicais no ato (CUT, Força Sindical, CGTB, CTB e Nova Central). A união das centrais é histórica. Agora os trabalhadores participam e são ouvidos pelo governo e por isso conquistamos itens como a valorização do salário mínimo e redução na tabela do imposto de renda. O governo anterior e mesmo o de São Paulo têm visões preconceituosas do movimento sindical.


Para Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT, que participou do evento, a assembleia é uma importante demonstração da unidade da classe trabalhadora. “Várias centrais participaram, o que representa um alto grau de unidade e amadurecimento dos trabalhadores fundamental para que nossas reivindicações sejam levadas a sério”, avalia. Carlão explica que um dos objetivos dos trabalhadores expresso na Agenda da Classe Trabalhadora é mudar o foco do debate público do crescimento econômico para a busca de um real desenvolvimento social, com inclusão, geração de empregos e distribuição de renda.


“As manchetes dizem que o PIB vai crescer, mas isso pode acontecer com contração de renda e corte de postos de trabalho. A riqueza do país precisa ser distribuída e isso acontece com aumento do poder de compra dos trabalhadores e geração de emprego”, afirma. “Nesse sentido, é muito importante ter crédito mais barato e direcionado para políticas que possam de fato gerar emprego e renda. Para isso, é fundamental o que está colocado na plataforma sobre um outro sistema financeiro, com fortalecimento dos bancos públicos”, defende.

DELEGAÇÃO DA CUT-CEARÁ – Do Ceará, foram mais de 50 sindicalistas da CUT, num total de cem integrantes da delegação do Estado, entre eles 15 delegados do SEEB/CE. Para o presidente da CUT-CE, Jerônimo do Nascimento, a aprovação por unanimidade da Agenda reforça que o movimento sindical não é coadjuvante no processo político brasileiro. “Ao contrário, tem participação significativa na proposição de políticas públicas”, reforça.


A participação das delegações da CUT-CE, vindas de diversos municípios cearenses foi destaque ao longo da Assembleia. Os militantes cutistas pintaram de vermelho o Pacaembu e, de longe, foi a maior entre todas as presentes. “Foi visível a adesão da CUT, construindo uma maioria de participação. Isso significa que a direção está em sintonia com as bases”, analisou Jerônimo.