Assinado aditivo da nova estrutura salarial da carreira profissional

8


A Contraf/CUT, sindicatos e federações assinaram na segunda-feira (27/5), em Brasília, o aditivo ao acordo coletivo 2012/2103, que estabelece a nova estrutura salarial (NES 2013) da carreira profissional da Caixa Econômica Federal. A cerimônia contou com a participação dos representantes das entidades sindicais, membros da Comissão Executiva de Empregados (CEE/Caixa) e gestores da empresa, entre eles o vice-presidente de Gestão de Pessoas, Sérgio Rodrigues.


A nova tabela salarial contempla aproximadamente 3.500 profissionais, entre engenheiros, arquitetos, advogados, médicos, dentistas e outras categorias. A proposta, que abrange 36 níveis, prevê reajuste no teto da tabela salarial, contemplando, inclusive, o Adicional por Tempo de Serviço (ATS), embutido na tabela. Os salários passam a variar de R$ 7.445,00 até R$ 17.523,00.


Foi mantida a discriminação do REG/Replan não-saldado, fato criticado pelo coordenador da CEE/Caixa e vice-presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, durante a assinatura do aditivo.


A proposta da Caixa, que foi aprovada em assembleias realizadas nas bases onde a empresa tem empregados da carreira profissional, contempla diversas reivindicações deste segmento e valorização na carreira.


Para ver o documento na íntegra basta acessar o site do Sindicato, procurar a aba “Acordo Coletivo” e clique em “Caixa Econômica Federal”.


“A proposta apresentada para carreira profissional contempla diversos itens pendentes desde 2006 e ajuda na unificação a partir de agora, além de incorporar em sua tabela item importante de Adicional por Tempo de Serviço”, afirmou Jair Pedro Ferreira.


Modelo de gestão – A Caixa Econômica Federal apresentou aos dirigentes de entidades sindicais e do movimento associativo dos empregados o projeto de atualização do modelo de gestão que a empresa está implantando. A apresentação foi reivindicada pela Contraf/CUT – CEE/Caixa e sindicatos, por conta do clima de insegurança existente nas filiais e agências, mediante a possibilidade de uma nova reestruturação. A reunião aconteceu em Brasília, dia 27/5. A Fenae foi representada pelo diretor vice-presidente, Jair Pedro Ferreira, e pela diretora de Administração e Finanças, Fabiana Matheus.


Segundo a Caixa, as medidas, no momento, atingem a Matriz, mas não foram descartadas mudanças nas filiais e agências. O vice-presidente de Gestão de Pessoas, Sérgio Rodrigues, disse que a implantação do projeto está seguindo o cronograma determinando pela presidência da empresa. Em relação às demais áreas, ele afirmou que está sendo feito estudo e não tem condições de informar o que vai ser feito.


A atualização do modelo de gestão da Caixa está sendo elaborado por uma empresa de consultoria e deverá ser implantado em etapas, no período de 18 meses. O objetivo, segundo os representantes da empresa, é mudar sua estrutura organizacional visando tornar o fluxo de trabalho mais ágil.


Os dirigentes das entidades sindicais cobraram transparência no processo de mudanças na empresa e que possam ser ouvidas sobre a questão. O coordenador da Comissão Executiva de Empregados (CEE/Caixa) e vice-presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, lembrou que as entidades têm recebido queixas dos empregados que temem ser prejudicados com a reestruturação. A falta de comunicação adequada da Caixa tem gerado grande insegurança entre os empregados, que não sabem qual será o impacto de uma possível reestruturação em seus setores.