Ato de protesto denuncia demissões no Itaú Unibanco em Fortaleza

34

Um ato de protesto e repúdio contra as demissões no Itaú Unibanco foi realizado na terça-feira, dia 7/6, na agência Major Facundo, no Centro de Fortaleza. O Sindicato dos Bancários do Ceará fez uma denúncia pública aos clientes, usuários e transeuntes que passavam pela agência, sobre as demissões que estão sendo praticadas pelo banco, das famílias Setúbal e Moreira Sales. Só nos primeiros meses do ano chegam ao total de 29 demissões em Fortaleza. O SEEB/CE utilizou a figura da morte e do enterro como alegorias para ilustrar as demissões, que em todo o País já ultrapassam a mais de mil.


O ato fez parte de uma série de manifestações nacionais que exigem o cumprimento de uma promessa pública, feita pelos banqueiros durante entrevista coletiva quando da fusão das empresas, de que não haveria dispensas de pessoal. Além do fim das demissões, os bancários cobram também melhores condições de saúde e trabalho, já que muitos funcionários estão doentes por conta da sobrecarga de trabalho e metas abusivas.


Durante o protesto na agência do Itaú Unibanco, uma usuária declarou que acha o Itaú um banco “mercenário”. “Ele só quer saber de lucrar, não vê o lado humano. Eu fico revoltada com o tanto de agência com caixas eletrônicos quebrados e as filas são intermináveis e já estou aqui há um tempão. É um desrespeito”, desabafou a cliente, que não quis se identificar.


“Esses banqueiros e o setor financeiro, é quem mais lucra nesse País e não contribuem com nenhuma contrapartida social ao País. Pelo contrário, demitem bancários com mais de 20 anos de banco e deixam os colegas que permanecem no banco em situação difícil, com excesso de metas para cumprir, além de sobrecarga sobrehumana de trabalho”, denunciou Ribamar Pacheco, funcionário do Itaú Unibanco, diretor do Sindicato e representante da Fetec/NE na COE Itaú.


O diretor Ribamar enfatizou – “repudiamos essa política nefasta de RH do Itaú Unibanco, que demitiu, inclusive, bancários que se destacaram no cumprimento das metas. Deram o melhor de si nos três primeiros meses do ano e no quarto foram demitidos vergonhosamente. Além do mais, promove transferência de funcionários de uma agência para outra, de um lado para outro, desrespeitando seus trabalhadores”.


“O Sindicato não vai arredar um milímetro da sua luta até que essa situação mude. Não podemos admitir essas demissões. E pior, o banco está demitindo funcionários doentes, com LER/Dort. Dia após dia, iremos protestar contra essa irresponsabilidade do banco”, denunciou o diretor do Sindicato, Alex Citó, funcionário do Itaú Unibanco.


Segundo o presidente do SEEB/CE, Carlos Eduardo Bezerra – “queremos dialogar com a sociedade, para que se solidarize com nossas denúncias contra o Itaú Unibanco, pois o banco quer economizar fazendo demissões de pais e mães de família para aumentar seu lucro. A alegoria da morte, que usamos no protesto, significa nossa denúncia ao estado triste vividos pelos bancários demitidos. O certo é que, com esse enxugamento, o atendimento ao cliente vai piorar cada vez mais e o bancário cada vez mais explorado”, disse.


“Não vamos arrefecer nossa luta contra essas demissões esdrúxulas. Não vamos calar contra essa política nefasta do Itaú Unibanco, que demite funcionários com até 27 anos de trabalho” denunciou Moacir Melo, diretor do SEEB/CE e funcionário do Itaú Unibanco.