Ato denuncia novas demissões no antigo BEC

64

Não só peixinhos foram retirados da antiga sede do BEC. As novas vítimas do Bradesco são os 20 funcionários demitidos recentemente do setor jurídico, que foi extinto. Em ato no dia 18/7, o SEEB/CE denunciou as demissões e distribuiu bananas às pessoas que assistiam ao ato, simbolizando o descaso do Bradesco com os ex-funcionários do BEC.

O Sindicato apurou denúncias de assédio moral sofrido pelos ex-becistas. Além disso, eles estariam sendo discriminados e constrangidos dentro das agências. Funcionários com mais de 20 anos de serviço bancário estariam exercendo funções básicas. A agência foi reformada e, mesmo assim, o Sindicato recebeu denúncias de que não havia cadeiras para alguns funcionários.

“Na hora de lucrar, o Bradesco exige metas e horários absurdos. As metas ocasionam as demissões. Só no processo de privatização, saíram 700 bancários. Agora, mais 100”, denunciou Robério Ximenes, funcionário do Bradesco/BEC e diretor do Sindicato. O presidente do SEEB/CE, Marcos Saraiva, acrescentou que, além dos demitidos, há funcionários pedindo demissão por falta de condições de trabalho e devido ao assédio moral que estão sofrendo.

OAB CRITICA BRADESCO

O presidente da OAB-CE, Hélio Leitão, criticou a demissão dos advogados que integravam a assessoria jurídica do Banco do Estado do Ceará (BEC), que foi comprado pelo Bradesco. Hélio lamentou o tratamento dado a profissionais que, em muitos casos, ofereceram seus serviços por mais de 20 anos ao BEC e “foram demitidos de forma truculenta e constrangedora”.

Além de perderem seus cargos sem nenhum aviso prévio, os advogados tiveram que retirar seus objetos pessoais sob os olhares atentos dos novos gestores, tratamento considerado por Hélio Leitão como indigno e desrespeitoso.