Aumento da Selic vai frear crescimento e geração de empregos, diz Contraf-CUT

16

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) condena de forma veemente a decisão do Copom de aumentar outra vez no dia 2/3, a taxa Selic em 0,5% neste início do governo Dilma Rousseff, elevando os juros básicos da economia brasileira para 11,75% ao ano – de longe a mais alta do planeta.


“A elevação da taxa Selic é nefasta para a economia do Brasil, pois inibirá o crescimento, a geração de mais empregos e o desenvolvimento econômico e social do País”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT. Não há embasamento técnico que justifique esse aumento. Para a Contraf-CUT, outros ajustes setoriais não ortodoxos, a exemplo das medidas de enxugamento do crédito tomadas no final do ano passado pelo Banco Central, seriam suficientes para conter a inflação localizada, sem comprometer a economia como um todo. “O Banco Central mais uma vez cedeu à chantagem do mercado financeiro, para favorecer a minoria privilegiada detentora de títulos públicos, principalmente os bancos que lucraram mais de R$ 43 bilhões em 2010”, salienta Carlos Cordeiro.


A majoração de 1% na taxa Selic imposta pelo Copom nos últimos dias significa uma transferência de mais de R$ 15 bilhões de recursos dos cofres da União para os rentistas.