Aumento real impera nos acordos do primeiro semestre, aponta Dieese

28

Diversas categorias que têm data-base no primeiro semestre conquistaram esse ano aumento real de salário, que em alguns casos chegou a quase 3%, graças à mobilização dos trabalhadores e a um cenário de crescimento econômico dos mais favoráveis no País nos últimos anos. Os bancários iniciam sua luta no segundo semestre com expectativas ainda melhores não apenas para a economia do País como também para os bancos. A data-base da categoria é 1º de setembro.


Os cerca de 300 mil trabalhadores da construção civil de São Paulo, por exemplo, garantiram 2,39% de aumento real. No setor calçadista, o reajuste chegou a 2,9% acima da inflação e os trabalhadores em processamento de dados do estado de São Paulo foram reajustados em 6% ante uma inflação de 4,1%.


“O ambiente macroeconômico é amplamente favorável à negociação de aumentos reais de salário e melhores condições de trabalho”, disse o diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio, respaldado por estudos que preveem atualmente crescimento econômico de até 7% no ano. E esse número pode crescer ainda mais no segundo semestre.

LUCROS RECORDES – O sucesso da economia brasileira reflete em cheio os resultados dos bancos no primeiro trimestre, com crescimento galopante dos lucros. O Banco do Brasil, por exemplo, voltou a bater seu próprio recorde ao alcançar R$ 2,35 bilhões, crescimento de 41%, em relação a igual período de 2009. No Bradesco foi de R$ 2,103 bilhões, 22% maior. O Itaú Unibanco chegou a R$ 3,23 bilhões, alta de 60,5%, e o maior lucro da história para um primeiro trimestre.


A Caixa superou os primeiros três meses de 2009 em 72% e chegou a R$ 777,5 milhões. O Santander também bateu seu recorde no país: R$ 1,763 bilhão, duas vezes mais do que o apurado um ano antes no primeiro trimestre: a menina dos olhos do grupo no mundo. Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra, “a mobilização dos bancários garante aumento real há seis anos consecutivos, além de diversas outras conquistas, como 13ª cesta-alimentação, licença-maternidade de seis meses, PLR maior, extensão de direitos para casais homoafetivos, e muitas outras”. Ele explica ainda que um cenário positivo como esse só nos enche ainda mais de força para a luta na Campanha Nacional, que já se avizinha.

CONSULTA – O primeiro passo para a Campanha Nacional é a consulta aos bancários, que ficou disponível para resposta até a última quinta-feira 24/6, no site do Sindicato. Logo depois vem a Conferência Regional, seguida da Nacional, onde as prioridades apontadas pelos bancários serão democraticamente debatidas para definir a pauta de reivindicações a ser entregue para os banqueiros.