Bancário que demitiu o banco lança livro para alertar colegas

28

Gerente exemplar, Clóvison Alves trabalhou para o Bemge (o antigo Banco do Estado de Minas Gerais) por sete anos. Depois, mais sete para o Itaú, que adquiriu o banco público. Em 2006 figurou entre os seis melhores gerentes do banco no País. Mas seu desencanto com essa carreira já havia começado.


Cansado da pressão abusiva pelo cumprimento de metas, há cinco anos decidiu mudar de vida e radicalizou. Clovim, como gosta de ser chamado, abraçou seu esporte preferido – a acrobacia sobre bicicleta – e criou o projeto Saúde & Equilíbrio. Também escreveu um livro, que foi lançado no dia 17/12, em São Paulo, para contar sua dura rotina de bancário e alertar os colegas sobre a necessidade de “cuidar do físico e do espírito”.


“Foi assim que aguentei trabalhar por tantos anos. E mesmo depois, quando decidi demitir o banco por justa causa, foi isso que me segurou”, relata o autor de Demiti o Banco, Admiti a Vida. “Deixei o Itaú em 2006 e prometi a mim mesmo e aos colegas lançar e divulgar esse trabalho”.


Clovim moveu uma ação judicial contra o Itaú – e ganhou – para receber a 7ª e 8ª horas. “Não acreditava que o banco iria me lesar objetivamente. Mas foi isso que aconteceu. Essa história de cargo de confiança é um absurdo!”


O livro “ Demiti o Banco, Admiti a Vida” é da Musa Editora.