Bancários cruzam os braços por uma hora no Itaú, no Centro de Fortaleza

40


Durante uma hora, bancários do Itaú cruzaram os braços na quinta-feira, dia 18/4, e paralisaram a agência Major Facundo, no Centro de Fortaleza, com objetivo de exigir do banco respeito para com seus funcionários, coisa que infelizmente não ocorre por conta das metas abusivas e da disseminação do assédio moral. A paralisação fez parte da Campanha de Valorização dos Funcionários em resposta às milhares de demissões, às péssimas condições de trabalho e ao descaso da direção do Itaú em resolver os problemas dos trabalhadores.


Essas péssimas condições de trabalho têm levado os bancários ao adoecimento. Em nível nacional, esse adoecimento é alarmante. “Mais respeito, manutenção dos empregos e mais contratações para suprir essas carências que ora existem nas agências, é nosso grito de protesto”, afirmou Ribamar Pacheco, diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará, representante da Fetrafi Nordeste na COE Itaú.


A campanha em defesa dos direitos dos bancários do Itaú é em nível nacional, sob a coordenação da Contraf-CUT, com participação efetiva das federações e dos sindicatos nos Estados. Outras atividades estão sendo programadas ao longo deste primeiro semestre do ano, caso o Itaú não volte atrás das suas práticas truculentas, antissindicais e antidemocráticas.


“Nós paralisamos essa agência do Itaú, no Centro de Fortaleza, exigindo mais respeito por parte dos donos desse banco para com seus trabalhadores e trabalhadoras, que de forma competente tem levado esse banco a cada ano a atingir essa montanha de dinheiro, esse lucro exorbitante se compararmos com outros setores da economia”, enfatizou Ribamar Pacheco.


“Essa Campanha de Valorização dos Funcionários do Itaú vai radicalizar caso o banco não repense essas suas práticas antissindicais e antidemocráticas contra seus trabalhadores”, concluiu o dirigente sindical.


“Esse Cara Sou Eu” – A mobilização da Campanha de Valorização dos Funcionários, definida pela Contraf-CUT, federações e sindicatos tem como mote “Esse Cara Sou Eu”, inspirado no sucesso de Roberto Carlos, fazendo uma paródia sobre as condições de trabalho no banco.  “O cara que só pensa no programa AGIR toda hora, sempre com medo de perder o emprego. Que deixa de lado estudos e a família, que aceita o horário estendido, que sofre para bater as metas, que encara perigos como assaltos e doenças. Esse cara que, mesmo sendo caixa, é cobrado com metas diárias, mas que não recebe nenhum centavo do programa”, diz um dos versos da música.