Bancários da Caixa protestam contra reestruturação em Dia Nacional de Luta

33

Os bancários da Caixa Econômica Federal, lotados na agência Pessoa Anta, GIDUR, GICOT e GIRET, tendo à frente o Sindicato dos Bancários do Ceará, fizeram manifestação na quarta-feira, 7/4, em um Dia Nacional de Luta contra a reestruturação em curso na empresa. Os trabalhadores protestaram contra a falta de transparência da direção do banco, que insiste em não divulgar as informações completas sobre o processo, aumentando a insegurança dos trabalhadores das áreas afetadas. Eles repudiaram o modelo de reestruturação que instalou o terror dentro da Caixa.


O diretor do SEEB/CE e empregado da Caixa, Aúreo Júnior, lembrou que os bancários fizeram todo esforço para mudar o modelo de administração do Brasil e hoje o que se observa na Caixa é a utilização dos modelos de tratamento dos governos anteriores. “A administração da Caixa instalou o clima de terror, por isso dizemos o ‘Fora Maria Fernanda’, como forma de protestar contra a política nefasta implantada por ela na Caixa, deixando os empregados sem rumo por causa dessa reestruturação”.


“Nós estamos presenciando um desmonte na Caixa, pois empregados de setores estratégicos estão sendo desempregados dentro do próprio banco. Nunca houve tanto desrespeito como agora aos empregados dentro da empresa”, denunciou Elvira Madeira, diretora do SEEB/CE e empregada da Caixa.


O presidente do SEEB/CE, Carlos Eduardo, ressaltou durante a manifestação que a Caixa existe porque o Brasil precisa dela e ela precisa dos seus empregados, “por isso exigimos respeito ao conjunto dos trabalhadores da empresa. E a Campanha ‘Fora Maria Fernanda’ é pelo desrespeito dessa gestora à frente da Caixa – merecemos respeito e valorização”, completou.


A atividade deste dia 7/4, Dia Nacional de Luta, foi definida pela Contraf-CUT e Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) após a última reunião com o banco, realizada dia 26/3, em Brasília. Na ocasião, os bancários mais uma vez cobraram transparência da Caixa, mas o banco se limitou às informações já divulgadas na CI SURSE/SUAPE/SUDHU 012/10, consideradas insuficientes pelo movimento sindical.