Bancários do BB protestam contra Plano de Funções, demissões, metas e assédio moral

22


Na terça-feira, dia 30/4, os funcionários do Banco do Brasil da agência Praça do Carmo, em Fortaleza, realizaram um protesto contra o BB e suas ações, tais como: plano de funções, que alterou a estrutura de remuneração trazendo prejuízo aos bancários, demissões sem justa causa por ato de gestão, descomissionamentos, pressão abusiva para  cumprimento de metas e assédio moral.


Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra, “essa manifestação ocorre depois de assembleia dos bancários do BB, que rejeitaram a adesão à greve. Mas o Sindicato está dando sua contribuição ao conjunto de sindicatos do País, fazendo esse enfrentamento e construindo a unidade para mobilizar o Brasil”.


Há descontentamento entre os funcionários com a redução salarial imposta para as novas Funções Gratificadas de 6 horas e com o novo valor do Adicional de Função Gratificada, definido pelo banco em 10% do valor do VR da função. Os comissionados de 8 horas também ficaram revoltados com o novo valor estabelecido para o Adicional de Função de Confiança e só aderiram ao novo plano porque o banco colocou a faca no pescoço de cada um, ameaçando descomissionar quem não aderisse.


A categoria denuncia que a direção do BB, em vez de dialogar e negociar com os representantes dos trabalhadores, tem abusado de boletins pessoais dirigidos aos funcionários para atacar os Sindicatos.  Os dirigentes sindicais criticam, questionam, reivindicam, organizam os trabalhadores e isso incomoda os dirigentes do BB.


Mostrando total falta de respeito com os funcionários, a direção do banco mandou um diretor reafirmar que não negocia o Plano de Funções, transformaram a vida dos bancários num inferno, com tanta pressão por metas, ameaças, torpedos, telefonemas fora de hora e todas as formas de assédio moral.