Bancários do Ceará realizam protesto contra a tentativa de morte dos direitos da categoria

30



O Sindicato realizou durante a manhã desta quinta-feira, 27/8, um grande ato no Centro de Fortaleza para denunciar a postura absurda dos banqueiros que, mesmo acumulando lucros bilionários em plena pandemia, insistem em negar reajuste salarial para a categoria bancária. Durante a manifestação, os dirigentes e bancários de base vestiram preto para denunciar a tentativa de morte dos direitos da categoria pelos representantes da Fenaban.


O ato foi debatido durante assembleia organizativa da categoria no Ceará, que reuniu, vitualmente, mais de 300 bancários na terça-feira, 25/8. Nesta quinta-feira, os bancários marcaram presença nas agências BB da Praça do Carmo, Caixa da Praça do Ferreira e Bradesco dos Peixinhos. Na sexta-feira, 28/8, Dia do Bancário, os dirigentes vão visitar o Itaú, o Santander e o BNB.



Após 12 rodadas de negociação e muitas tentativas de retiradas de direitos históricos da categoria, a Fenaban pouco ofereceu para quem esteve na linha de frente durante a pandemia para atender à população da melhor forma possível.


Os bancos recuaram em mexer na regra da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e ficou mantida a parcela adicional que é de 2,2% do lucro líquido sem alterar a regra. Porém, os representantes dos bancos insistiram no reajuste zero para 2020, só abono. Propuseram um abono de R$ 1.656,22 para este ano. Para o ano que vem, a proposta apresentada foi de repor 70% da inflação pelo índice do INPC a partir de 1º de setembro e os outros 30% depois de seis meses.


Nesta quinta-feira, à noite, acontece uma assembleia deliberativa da categoria, também de forma virtual, para debater os rumos da campanha. O encontro acontece logo após nova rodada de negociação com a Fenaban.