Bancários do Ceará ressaltam a importância da unidade e definem reivindicações específicas por banco

14


  


O Sindicato dos Bancários do Ceará realizou no último sábado, dia 4/5, no Praiano Palace Hotel, em Fortaleza, o Encontro Estadual de Bancos Públicos, que elegeu os delegados e definiu as reivindicações dos bancários do Ceará para os congressos nacionais do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco do Nordeste do Brasil, que acontecem na segunda quinzena de maio.


Na abertura do evento aconteceu um amplo debate de conjuntura política e econômica nacional e internacional com a participação dos expositores Ademir Wiederkehr, secretário de Imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo de Segurança Bancária, e do diretor do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, Carlos Lima.


O dirigente do SEEB/RJ, Carlos Lima, ressaltou a onda de protestos dos trabalhadores europeus, devido à crise econômica que atinge o continente, com raízes profundas no sistema financeiro internacional. “Para o capitalismo, nesses momentos de crise quem paga, primeiramente, são os trabalhadores”, destaca ele que apontou como fundamental, em âmbito de Brasil, a reforma do Sistema Financeiro, ressaltando o papel desenvolvimentista dos bancos públicos e um papel mais social dos bancos privados, principalmente na oferta de crédito. Carlos Lima destaca ainda que é preciso acabar com os correspondentes bancários que não trazem nenhuma colaboração ao fomento do País e apenas causam mais precariedade do trabalho e do atendimento à população.


Já o dirigente da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr, destacou que o Brasil tem agora papel de destaque na economia mundial. “Nós antes tomávamos a Europa como referência, hoje nós somos essa referência, mas precisamos avançar mais na distribuição da renda do brasileiro”, aponta. Ele relatou ainda a importância da democratização dos meios de comunicação, como forma de dar aos movimentos sociais e às mídias alternativas a visibilidade que eles merecem. Ademir convocou também todos à mobilização contra o projeto de lei 4330/04, do deputado Sandro Mabel, que regulamenta a terceirização no Brasil.


Ademir destacou ainda a movimentação nacional por mais segurança nas agências. “Apesar dos lucros, o descaso dos bancos com segurança é muito preocupante. Além disso, a precariedade da segurança pública e a defasagem da lei 7.102/83 também contribuem para o aumento da sensação de insegurança dentro do ambiente bancário”, aponta. Ele ressaltou ainda algumas conquistas previstas na Convenção Coletiva, tais como: proibição do transporte de numerários, indenização por morte e incapacidade decorrente de assalto, auxílio psicológico, registro de B.O., possibilidade de transferência de unidade em casos de sequestros, entre outras. “Mas, muito ainda temos de conquistar. Nós reivindicamos portas eletrônicas antes do autoatendimento, biombos opacos entre as filas e a bateria de caixas, vidros blindados nas fachadas, monitoramento em tempo real, regras para o abastecimento dos caixas eletrônicos etc., além do projeto de lei de reformulação da lei 7.102/83, que compõe o Estatuto de Segurança Privada”.


O diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará, Tomaz de Aquino, avaliou o encontro como o pontapé inicial da campanha nacional e como fundamental para organização do movimento. “Devemos refletir acima de tudo sobre o nosso papel classista como trabalhadores, apesar das divergências que podem existir. O nosso verdadeiro adversário é o governo e os banqueiros e esse é o momento de nós unirmos forças para enfrentá-los”.


Marcos Saraiva, também diretor do SEEB/CE, reforçou igualmente que esse é um momento muito importante para mobilizar e organizar o movimento dos bancários. “Vamos fazer desse encontro um momento de unidade, para que possamos confrontar os banqueiros e avançarmos para conseguir mais conquistas para todos os trabalhadores”.


Na parte da tarde, os participantes do Encontro foram divididos em grupos por bancos para debaterem temas específicos e definirem as reivindicações dos bancários cearenses para os congressos nacionais de funcionários.


“Parabenizo a participação de todos, principalmente os que vieram do Interior, para dar sua colaboração à construção da pauta da categoria. Esse é um momento inicial da nossa campanha e de fundamental importância para a nossa organização, pois através da nossa unidade, da nossa organização e da nossa mobilização poderemos contratar mais direitos para a categoria”, finalizou o presidente do Sindicato, Carlos Eduardo Bezerra.


CONGRESSOS NACIONAIS DEBATERÃO PAUTAS IMPORTANTES


BANCO DO BRASIL


O 24º Congresso Nacional dos Funcionários do BB acontece nos dias 17, 18 e 19/5, em São Paulo. Os funcionários do BB irão debater quatro grandes temas:


1. Remuneração e condições de trabalho: Carreira: piso, plano de funções, ascensão profissional; jornada de trabalho nas funções comissionadas e metas e remuneração variável.


2. Saúde e Previdência: Cassi; Previ; Plano odontológico; Fusesc; Economus e Segurança Bancária.


3. Organização do Movimento: Formas de mobilização; Delegados sindicais e OLT; Conselho de Usuários da Cassi e Representante no Conselho de Administração do BB.


4. Banco do Brasil e o Sistema Financeiro Nacional (SFN): BB e o crédito; Metas de produtos financeiros; Terceirização e Correspondentes Bancários e Internacionalização.


CAIXA ECONÔMICA FEDERAL


O 29º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef) acontece nos dias 17, 18 e 19/5, em São Paulo. Os empregados da Caixa debaterão pelo menos 15 temas:


1) Organização do Movimento; 2) Papel Social da Caixa; 3) Saúde do Trabalhador/Condições de Trabalho; 4) Condições de funcionamento das Unidades; 5) Saúde Caixa; 6) Funcef; 7) Aposentados; 8) Segurança Bancária; 9) Representação dos Trabalhadores no Conselho de Administração da Caixa; 10) Jornada; 11) Sipon; 12) Isonomia; 13) Carreira; 14) Terceirização; 15) Contratação.

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL


O 19º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) acontece nos dias 24 e 25/5, em Teresina (PI). A pauta do Congresso terá quatro eixos:


1) Remuneração e jornada (Revisão do PCR, Ponto eletrônico, Plano de Funções, Passivos Trabalhistas);


2) Saúde e Previdência (Custeio CAMED, Assédio Moral, Aposentados, INSS e Capef, revisão Plano BD da Capef);


3) BNB e Sistema Financeiro (Isonomia, Terceirização, Concursados, Gestão, Papel do BNB enquanto Banco Público, Regulamentação do Sistema Financeiro);


4) Organização do movimento.