Bancários do HSBC aprovam minuta específica

10


O Encontro Nacional dos Funcionários do HSBC reuniu bancários de todo o País em Curitiba, entre os dias 15 e 17/5, com a presença do presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro, e do secretário de Organização da entidade, Miguel Pereira. A direção da Confederação retomou as discussões enfatizando a importância da realização do Encontro como um fórum de debate das questões específicas e um espaço de organização da luta unificada.


O diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará, Humberto Simão, presente no Encontro, avaliou como positivas as discussões. “Esse foi um momento muito importante, pois nós elegemos nossas prioridades a serem negociadas com o banco na Campanha Salarial 2013. A situação nas agências do HSBC não está fácil. É preciso contratar mais, melhorar a remuneração e as condições de trabalho e só mobilizados é que vamos pressionar o banco por mais conquistas”, analisa.


Eixos de trabalho – A coordenação do Encontro Nacional definiu a organização dos debates em três eixos principais: 1) emprego; 2) remuneração; e 3) saúde e condições de trabalho. No eixo Emprego, foram abordados os temas contratações e terceirização. Em Remuneração, os dirigentes debateram Participação nos Lucros e Resultados (PLR), Programa Próprio de Remuneração (PPR), Plano de Cargos e Salários, Plano de Previdência Complementar e igualdade. Já em Saúde e Condições de Trabalho, foram discutidos metas, assédio moral e Plano de Saúde. Em todos os eixos foram abordadas ainda as estratégias de mobilização e a importância da construção de um plano de lutas nacional.


No último dia do Encontro Nacional dos Funcionários do HSBC, na sexta-feira, 17/5, durante a plenária de encerramento, foi apresentado o relatório final das propostas debatidas e referendada a minuta de reivindicações específicas. A partir do meio dia, os dirigentes sindicais se concentraram em frente ao Palácio Avenida para a realização de um ato em protesto à política de recursos humanos adotada pelo HSBC no Brasil.


Reunião com HSBC – No dia 16/5 aconteceu ainda uma reunião entre o movimento sindical e a direção do HSBC, no Palácio Avenida, em Curitiba. Apesar das expectativas de que o banco apresentasse uma proposta para os temas pendentes, os bancários foram novamente frustrados. Diante das cobranças da falta de efetividade nas negociações e de todos os problemas enfrentados pelos funcionários – demissões, alta rotatividade, terceirização, pressão pelo atingimento de metas e qualidade na prestação de serviços, entre outros –, mais uma vez, o HSBC se colocou na defensiva e alegou que irá aguardar a minuta de reivindicações específicas que foi aprovada no Encontro Nacional para estabelecer negociação.