Bancários e vigilantes abrem nova agenda sobre segurança com Polícia Federal

36

A Contraf-CUT e a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) se reuniram pela primeira vez no dia 3/8, com o novo titular da Coordenação-Geral de Controle da Segurança Privada (CGCSP) da Polícia Federal (PF), delegado Clyton Eustáquio Xavier, em Brasília. O encontro havia sido solicitado pelas entidades sindicais. Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, foi o representante da Contraf-CUT. O presidente José Boaventura Santos representou a CNTV.


Um documento conjunto, entregue ao delegado pela Contraf-CUT e a CNTV, traz uma pauta de demandas para melhorar a segurança e o trabalho da PF. “Abrimos uma nova e importante agenda para dialogar sobre questões que busquem a melhoria e o fortalecimento do papel da PF no controle da segurança privada”, afirmou o secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, Ademir Wiederkehr.

ATUALIZAÇÃO DA LEI FEDERAL Nº 7.102/83 – Um dos principais assuntos debatidos foi a lei federal nº 7.102/83, que trata da segurança nos estabelecimentos bancários. Outro tema discutido foi o crescimento do crime da “saidinha de banco”. Os sindicatos também estão levando o modelo de projeto de lei municipal, lançado pela Contraf-CUT e CNTV, para todas as cidades, buscando a melhoria da estrutura dos estabelecimentos e a instalação de equipamentos que assegurem o sigilo dos saques em dinheiro”, disse Ademir.

PAUTA DOS TRABALHADORES – O documento da Contraf-CUT e CNTV traz importantes contribuições para a melhoria da segurança, apontando problemas como a expansão dos correspondentes, a retirada descabida da porta giratória em várias agências, o transporte ilegal de valores feito por bancários, os locais inseguros para estacionamento dos carros-fortes e a contagem de dinheiro por vigilantes no abastecimento de caixas eletrônicos.