Bancários fazem ato em defesa do BNB como instituição pública

6


Logo após a assinatura do acordo coletivo dos funcionários do BNB, em Fortaleza, no último dia 21/10, a Contraf-CUT e os sindicatos que compõem a Comissão Nacional dos Funcionários do BNB (CNFBNB) realizaram uma manifestação na sede administrativa do Passaré em defesa da Instituição como patrimônio do povo nordestino e brasileiro.


“Atualmente o BNB tem mais de 300 agências e mais de sete mil funcionários. Isso representa um peso importante na região Nordeste, no Norte de Minas e no Espírito Santo, onde o Banco atua, e isso não pode ser desconsiderado. Nós estamos juntos para não permitir que essa Instituição seja ameaçada”, afirmou a diretora do Sindicato e funcionária do BNB, Carmen Araújo.


Já o secretário-geral da Contraf-CUT, Carlos de Souza, enfatizou que o BNB é a própria expressão do que se defende como banco público. “Sabemos que o BNB poderia estar muito melhor na questão das relações de trabalho, mas não temos a menor dúvida que, de 2003 para cá, alcançamos o que não tivemos em toda a década de 90: respeito ao diálogo, à representação de classe e aos direitos dos trabalhadores”.


Para o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra, “não dá para pensar em desenvolvimento do Nordeste sem passar pelo papel de fomento, de atuação no crédito que venha a transformar a vida das pessoas, exercido hoje pelo Banco do Nordeste”.


“Não nos importa em que governo esteja, nos importa é o Banco do Nordeste, a valorização do seu funcionário e o fortalecimento dessa instituição. O Sindicato jamais irá se omitir na defesa desse patrimônio nordestino e nacional que é o BNB”, concluiu o coordenador da CNFBNB, Tomaz de Aquino.