Bancários garantem conquistas, mas defendem outros avanços

4


Em rodada específica de negociação com o Santander, realizada no dia 15/9, em São Paulo, a Contraf-CUT, federações e sindicatos garantiram o compromisso do banco espanhol com a renovação de várias cláusulas do atual acordo coletivo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho. O banco ficou também de verificar o atendimento com avanços das demais cláusulas e das novas demandas dos bancários.


Após muitos debates, iniciados na primeira rodada, os representantes do banco concordaram com a manutenção de uma série de direitos, como o intervalo de 15 minutos dentro da jornada de seis horas, a licença de dois dias por motivo de doença de filhos, a ampliação do horário para amamentação, a licença para adoção (parental) inclusive para casais homoafetivos e a licença não remunerada para acompanhamento de casos de saúde, dentre outros.


Os dirigentes sindicais defenderam também a renovação de outras conquistas como o auxílio bolsa de estudo, visando a extensão para a segunda graduação ou pós, bem como o reajuste do valor, incluindo a correção não aplicada em 2013. Outra cláusula é a isonomia do direito à estabilidade pré-aposentadoria de dois anos aos bancários com mais de 25 anos de vínculo (homens) e 21 anos (mulheres), já garantida aos oriundos do Banespa.


Queremos mais – Também foram discutidas diversas reivindicações para inclusão no aditivo. Uma das propostas é a criação de um centro de realocação de funcionários, como no caso de fechamento de agências, para evitar demissões. Outra é o adiantamento de férias com parcelamento em dez vezes e sem juros.


As entidades sindicais cobraram uma resposta do banco para a denúncia formalizada na primeira rodada sobre a existência de um controle nos exames médicos para a caracterização do funcionário como inapto. Os representantes do banco anunciaram que irão trazer na próxima rodada o médico do trabalho, responsável pelas avaliações médicas, para discutir o assunto com os dirigentes sindicais.


“O fechamento do acordo aditivo mantendo as atuais cláusulas e conquistando novos direitos é de fundamental importância para os bancários do Santander”
Eugenio Silva, diretor do Sindicato e funcionário do Santander