Bancários paralisam agência contra implantação da reforma trabalhista

9


Na quinta-feira, 1º/2, os bancários paralisaram por duas horas a agência do Itaú, no Centro de Fortaleza, para protestar contra as medidas anunciadas pelo banco para implementar a reforma trabalhista. Os dirigentes do Sindicato dos Bancários do Ceará denunciaram o banco que, apesar da alta lucratividade, anunciam medidas prejudiciais aos trabalhadores, inclusive conquistas garantidas no Acordo Coletivo da categoria.


A categoria está mobilizada para lutar por seus direitos, especialmente aqueles contidos no Acordo Coletivo que tem vigência até agosto deste ano. Os dirigentes sindicais denunciaram que uma das afrontas é o anúncio do banco de que as homologações não serão mais feitas nos sindicatos.


Em dezembro, o banco também havia tentado promover alterações com relação à definição da data e período de férias. Havia estipulado que seus departamentos Jurídicos e de RH definiriam novas regras de acordo com as mudanças da nova lei trabalhista. No entanto, o movimento sindical conseguiu reverter.


Manter-se mobilizado é a palavra de ordem dos bancários do Itaú, principalmente, porque o banco pode querer mexer nos direitos da categoria, após o término da vigência do Acordo de dois anos, firmado na Campanha Nacional de 2016, onde vários direitos estão garantidos até 31 de agosto de 2018.


“Essa mobilização é um ato de repúdio dos trabalhadores do Itaú. Com nosso Acordo de dois anos, firmado em 2016, temos direitos garantidos até agosto deste ano e vamos lutar para que essas conquistas sejam respeitadas. É necessário fazer esse enfrentamento agora, pois não aceitaremos nenhum direito a menos”
Ribamar Pacheco, diretor do SEEB/CE e representante da Fetrafi/NE na COE Itaú