Bancários param agência em Fortaleza, repudiam assédio moral e exigem respeito

11

Os funcionários do HSBC realizaram na quinta-feira, dia 21/6, manifestação com paralisação durante todo expediente bancário, na agência da Av. Bezerra de Menezes, em Fortaleza, para exigir mais respeito do banco inglês para com seus funcionários. Os funcionários denunciam o banco por demissões imotivadas, assédio moral e exigência de cumprimento de metas abusivas. “O Sindicato dos Bancários do Ceará não pode concordar com esse abuso, por isso fazemos um dia de paralisação, como forma de repudiar essa situação e exigir respeito”, disse o diretor do Sindicato e funcionário do HSBC, Humberto Simão Filho.


A atividade foi também uma resposta dos bancários para a frustrante negociação permanente com HSBC sobre emprego, remuneração e previdência complementar, ocorrida no último dia 4/6. Lembra Humberto que, “na ocasião, o banco desconsiderou toda nossa pauta de reivindicações, apesar do HSBC ter tido mais de R$ 1 bilhão de lucro em 2011. O banco além de conti-nuar demitindo, ainda se recusa a negociar”, completou.


O diretor do SEEB/CE lembrou que os trabalhadores são os verdadeiros responsáveis pelos lucros do banco no Brasil e merecem ser tratados com mais respeito. “Queremos que o banco acabe com essas demissões imotivadas. Na última negociação, o banco afirmou que não fará novas contratações e nós não vamos nos calar diante dessa situação”, denunciou.

Manobra – Além dos problemas com a sobrecarga de trabalho, assédio moral e demissões, o HSBC ainda “maquiou” o lucro líquido do banco com um Provisionamento para Devedores Duvidosos (PDD) maior do que em 2010. “Com a manobra no provisionamento, o HSBC diminuiu o valor da PLR e do PPR/PSV dos empregados. O banco tem que ter mais responsabilidade com os bancários e nós vamos continuar pressionando”, finalizou Humberto.