Bancários unânimes deflagram greve por tempo indeterminado

14

   

Greve por tempo indeterminado. Essa foi a decisão unânime dos cerca de 700 bancários do Ceará que compareceram à assembleia na noite de 23/9, na sede do Sindicato. Nas assembleias permanentes, nos dois dias de greve, a categoria manteve a determinação de ficar de braços cruzados, até que surja uma nova proposta da Fenaban, que atenda os anseios dos trabalhadores.


Os bancários pregaram a unidade da categoria como forma mais eficiente de pressionar os banqueiros a apresentarem uma proposta digna. “Nós queremos estender a pauta para além das questões econômicas, cobrando dos bancos a responsabilidade social e a valorização dos bancários. Queremos melhores condições de trabalho e de saúde, garantia do emprego, isonomia e, para construirmos uma greve forte e alcançarmos tudo isso precisamos, antes de tudo, estarmos unidos na luta”, convocou o presidente do SEEB/CE, Carlos Eduardo Bezerra.


O supervisor do DIEESE/CE, Reginaldo Aguiar, apresentou um panorama das negociações coletivas durante o primeiro semestre. Segundo ele, a maioria das categorias obteve aumentos reais acima do índice da inflação medido pelo INPC, com um resultado maior do que o obtido em 2008 (76,7% no primeiro semestre de 2009 contra 72,2% no ano passado). “A nossa expectativa é que esse quadro se mantenha no segundo semestre”, afirmou.


“Estamos convocando todos os bancários para construírem uma greve forte e vitoriosa. Essa é a nossa resposta à proposta infame apresentada pela Fenaban no último dia 17/9. Como o setor mais lucrativo no primeiro semestre, os bancos têm sim, condições de apresentarem uma proposta digna para nós, bancários”, afirmou Carlos Eduardo.