Banco apresenta calendário para resolução de pendências

37

Foto: DivulgaçãoEm mais uma reunião de negociação entre a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) e a direção da Caixa Econômica Federal, no último dia 9/12, o banco não apresentou qualquer proposta concreta para pendências como a renegociação das dívidas dos empregados, os critérios para nomeação dos caixas executivos, os critérios para os técnicos sociais e os casos da RH 008 que ainda não foram contemplados.

A empresa comunicou sua intenção de discutir em breve com a representação dos empregados os critérios específicos sobre pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) em 2006.

Em relação aos Caixas Executivos e aos Técnicos Sociais, a Caixa informou que o prazo de 1º de janeiro de 2006 para implantação dos novos cargos será cumprido, mas não definiu quais os critérios de pontuação, ficando de apresentar uma proposta em 10 dias. A CEE defende que sejam adotados critérios objetivos, como antigüidade, formação e abrangência.

Já a renegociação das dívidas dos empregados, até que seja definida uma solução definitiva, a Caixa informou que o Conselho Diretor da empresa irá estender a todos os empregados as condições de consignação oferecidas para o setor judiciário (empréstimo com prazo de 36 meses e taxa pré-fixada de 1,88%). Estas condições, com perspectivas de serem utilizadas de forma imediata, também serão oferecidas aos aposentados.

Quanto à RH 008, o Conselho Diretor da empresa aprovou resolução que possibilita a celebração de acordos judiciais para os empregados que foram dispensados sem justa causa e tenham retornado ao trabalho por ordem judicial, ainda sem trânsito em julgado. A Caixa irá realizar uma consulta ao Conselho Diretor sobre a possibilidade de estender a reintegração a todos os casos de empregados que foram demitidos. Para isto, a Confederação Nacional dos Bancários vai repassar para a empresa analisar a lista com os casos de empregados demitidos em todo o país.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará e funcionário da Caixa, Marcos Saraiva, lembrou que a reintegração de todos os demitidos é uma reivindicação antiga do movimento nacional dos empregados e ressaltou que há contingente grande de bancários com ação e que tem a perspectiva de retornar à empresa. Ele afirmou que é inadimissível a morosidade das negociações, tendo em vista que os empregados não podem continuar esperando um posicionamento efetivo da empresa.