Banco do Brasil mantém enrolação em mesa específica

4


O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT e assessorado pela Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, debateu as reivindicações econômicas da pauta específica dos trabalhadores do banco na 3ª rodada de negociações da Campanha 2014, realizada no dia 12/9, em São Paulo. No dia 26/9, haverá nova negociação para apresentação da proposta específica do banco aos funcionários.


Plano de Carreira e Remuneração – O PCR foi bastante discutido, onde as principais propostas apresentadas pelos bancários são a mudança do interstício para 6%, a inclusão dos escriturários na carreira de mérito, a mudança da pontuação diária de cada grupo e a retroatividade do mérito dos caixas a 1998. O Comando insistiu na volta das substituições. Desde 2007, quando foram suspensas, têm causado enorme prejuízo aos funcionários e ao banco, devido a não formação de novos comissionados com experiência e treinamento necessários para o exercício do cargo.


Plano de Funções – Desde que o banco implantou unilateralmente o novo plano de funções, várias distorções foram criadas com prejuízo aos bancários de funções técnicas e gerenciais. Os bancários reivindicam a criação de um plano negociado com os funcionários, com aumento dos Valores de Referência e das gratificações de função, evitando as verbas de complemento, que subtraem as promoções por mérito e antiguidade. Foi proposta a criação de módulos básicos e avançados em todos os cargos gerenciais, inclusive no de Supervisor de Atendimento.


Incorporação da comissão – Os bancários reivindicam que no BB haja a incorporação de 100% do Valor de Referência, ao passo de 10% do VR ao ano em cada cargo exercido. As propostas dos funcionários da gerência média são a melhoria dos VR, a equiparação dos gerentes de relacionamento do carteirão com os demais gerentes de atendimento personalizado e equiparação de gerentes de grupo e de setor. Ainda sobre o plano de funções, foi debatida a criação da comissão de pregoeiro para os funcionários que trabalham nas áreas de licitação e a função de analista técnico social.


Com as reestruturações, muitas vezes os funcionários envolvidos perdem os cargos ou parte dos salários devido à mudança de locais de trabalho. Os bancários reivindicam a criação de uma proteção aos salários nestes casos. Foi sugerida a criação de uma mesa temática exclusiva para tratar de reestruturações. Os bancários reivindicam a implantação de menores taxas de empréstimos e financiamentos aos funcionários, a retirada de metas de avaliação da GDP e a extensão do vale-cultura para todos os funcionários.


“É importante para os funcionários que o banco dê respostas positivas às suas reivindicações. Lembramos que não lutamos apenas por remuneração, mas principalmente por melhores condições de trabalho, de vida”
Carlos Eduardo, diretor do Sindicato e funcionário do BB