Banco não aceita suspensão das mudanças nos planos de saúde

22


O Santander se negou a suspender a implantação das mudanças unilaterais feitas nos planos de saúde dos funcionários, com exceção da Cabesp, durante apresentação realizada no dia 17/12, para uma comissão de dirigentes sindicais, em São Paulo. As alterações entraram em vigor em novembro e terão impacto sobre cerca de 2.200 aposentados e aproximadamente 3.400 demitidos (que podem ficar até dois anos nos planos após o desligamento) a partir de janeiro de 2014.


Conforme os representantes do banco, o modelo anterior (vigente até outubro) previa que aposentados e demitidos pagavam custo médio por pessoa, independente da idade.

O novo modelo, implementado sem qualquer negociação com as entidades sindicais, estabelece que aposentados e desligados passam a contribuir, através da implantação da cobrança por faixa etária, com subsídio do banco por cinco anos, assumindo o custo integral em 2018.


Os dirigentes sindicais criticaram as mudanças, lembraram que o banco havia assumido compromisso de negociar com o movimento sindical antes das medidas entrarem em vigor e salientaram que a Resolução Normativa 279 da ANS não obriga a cobrança por faixa etária.


Essas mudanças aumentarão, e muito, os custos sobretudo para os atuais e os futuros aposentados e, por isso, certamente inúmeros colegas não terão condições financeiras de arcar com os novos valores e permanecer nos planos, mesmo tendo dedicado anos e anos de trabalho para o crescimento do banco, ficando desprovidos dos benefícios dos planos na velhice, justamente quando a assistência médica é mais necessária para a saúde das pessoas.


Apesar da reivindicação feita pelas entidades sindicais na última reunião do Comitê de Relações Trabalhistas (CRT), ocorrida no dia 27 de novembro, os representantes do banco não forneceram cópia dos contratos dos planos nem dos estudos atuariais que embasaram os novos valores.