Banco propõe acordo aditivo e negociação segue após Campanha Nacional

7


Na terceira rodada de negociações permanentes entre Contraf-CUT, federações e sindicatos com o HSBC, que aconteceu na quarta-feira, dia 21/8, em São Paulo, o banco inglês apresentou Alexandra Roth, que substituirá Vera Saicali no cargo de diretora de RH.


Conforme previsto, a instituição trouxe os pontos para a formalização do acordo específico, contem-plando direitos praticados atualmente: plano de saúde e odontológico com duas operadoras; direito a fol-gas por tempo de casa e no dia do aniversário; adiantamento salarial, no caso das férias, em até cinco parcelas e bolsa educacional.


Da pauta entregue e discutida até o momento, o banco negou a reivindicação referente ao CPK – re-embolso de combustível, dizendo que não pode aplicar qualquer reajuste sobre os R$ 0,46 praticados atu-almente. Decorrente dos debates anteriores, as entidades sindicais solicitaram a inclusão no rol anterior de mais três itens: o Plano de Previdência Complementar já concedido, a criação da mesa paritária de saúde e utilização da treinet somente dentro da jornada de trabalho. A redação do instrumento apresentado du-rante a negociação será submetido à avaliação da assessoria jurídica da Contraf-CUT para envio para os sindicatos filiados e uma vez aprovado, posterior formalização entre o banco e as entidades sindicais con-venentes.


PPR – O banco admite que o programa esteja desvinculado da PLR dos bancários e, portanto, não efe-tuará a compensação entres os dois programas distintos. Mas não aceita incluir esses termos no acordo nem estabelecer negociação direta com as entidades sindicais para construção do programa neste mo-mento.


Pendências – O banco concorda em prosseguir no debate, mas não apresentou uma redação final pa-ra os seguintes pontos: compartilhamento de agências: voltará ao debate e informou que Aides Jr, repre-sentante da área de operações, será convidado para esse debate; acesso dos dirigentes sindicais liberados e dos licenciados para tratamento de saúde ao portal RH e a comunicados internos: o banco disse estar tratando internamente da operacionalização para viabilizar o acesso; adiantamento de férias em dez parce-las; inclusão dentre as cláusulas do ACT que será formalizado, o direito de todos os admitidos até 31.12.2012 de permanecerem com seu plano de saúde nos casos de aposentadoria; Plano de Previdência Complementar: apesar do benefício já estar implantado, uma série de ajustes foram propostos, entre ele a elevação do percentual mínimo de contribuição pela patrocinadora, de 0,5% para 3%, paritário; Vale Cultu-ra.


Avanços e mais negociação – Segundo Miguel Pereira, secretário de Organização da Contraf-CUT, todos os integrantes da comissão de empresa consideraram como positiva essa retomada do diálogo com o banco, inclusive com a construção de um acordo de trabalho específico contemplando direitos conquista-dos no passado: “esses direitos ficavam a bel prazer da empresa, não havia garantia de que não seriam alterados unilateralmente”, ressalta.


Quando da retomada das negociações, após o fechamento da Campanha Nacional dos Bancários 2013/2014, os sindicalistas darão continuidade às discussões em temas como remuneração, PCS e PPR.


A respeito do balanço semestral que foi publicado, ficou decidida a realização brevemente de uma reunião específica para analisar as perspectivas e problemas decorrentes dos maus resultados apresenta-dos (LL 24% inferior ao mesmo período de 2012), particularmente impactos no nível de emprego, progra-mas próprios de remuneração e PLR.