BANCO PÚBLICO é patrimônio de todos!

3


O ano de 2016 foi de muita luta e resistência para toda a classe trabalhadora, em defesa dos seus direitos e conquistas, ameaçados pelo governo golpista que assumiu o País após o processo fraudulento de impeachment. Para os bancários, a luta foi em defesa dos bancos públicos, patrimônio do povo brasileiro e importante agente de desenvolvimento de políticas públicas e sociais, valorizados no governo anterior e diretamente ameaçados agora pelo golpista Michel Temer.


Já em março, os empregados da Caixa Econômica Federal enfrentaram um processo de reestruturação feito sem qualquer diálogo com o movimento sindical. Buscando valorizar o papel da Caixa como principal instrumento de políticas públicas e de atendimento à população mais carente, e enfatizando a necessidade da manutenção da Caixa 100% Pública, os empregados foram às ruas para defender o banco e, com muita mobilização, conseguiram suspender a reestruturação em curso naquele momento.


CARAVANAS – Como mais uma ação em defesa das empresas públicas, o Sindicato realizou entre maio e junho, uma série de visitas às unidades da Caixa, BB e BNB, que ficaram conhecidas como Caravanas Em Defesa dos Direitos Trabalhistas e das Empresas Públicas. Foram visitadas diversas unidades na capital e interior.


SE É PÚBLICO É PARA TODOS – A Campanha “Se É Público É Para Todos” foi criada e encampada pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e encabeçada em todo o País. No Ceará, ela foi lançada em 17/8. O objetivo foi levar a importância do debate em defesa do patrimônio público para toda a sociedade, para que esta se conscientize das ameaças de privatização e esvaziamento das estatais e seu grande impacto negativo para todo o país. Em outubro, a Campanha foi lançada também no Congresso Nacional.


BANCO DO BRASIL – Em novembro, os funcionários do Banco do Brasil foram pegos de surpresa com uma reestruturação também sem qualquer diálogo com a representação sindical. Aliás, os funcionários tomaram conhecimento do fato através da grande imprensa. A reestruturação, para atender o governo golpista, está fechando unidades, extinguindo funções e diminuindo quadro de pessoal com um programa de incentivo à aposentadoria.


O Sindicato repudia veementemente esse caminho, que tem como meta claramente a precarização do trabalho, do atendimento e a privatização. Processos semelhantes já estão sendo anunciados também para a Caixa Econômica Federal e demais empresas públicas, a exemplo da Petrobrás. A mudança certamente vai afetar os pequenos agricultores, as pessoas mais pobres, os empregados e os clientes desses bancos, com impacto para toda a sociedade. O movimento sindical prepara ações de resistência e convoca os bancários a se unirem nessa luta!