Bancos batem recorde de rentabilidade

61

Conforme denunciava a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) durante o último ano, a lucratividade dos bancos fechou 2006 quebrando recordes. No ano passado, os ganhos das 104 instituições financeiros atuantes no país somaram R$ 33,4 bilhões. O resultado significa 22,9% sobre o patrimônio líquido. Para os trabalhadores, o impacto desse crescimento é pressão, assédio moral e falta de reconhecimento salarial.

Em 2005, o lucro dos bancos já havia batido recorde, com R$ 29,3 bilhões – rentabilidade de 22,6%. Os dados estão nos balanços enviados pelos bancos ao Banco Central, segundo apuração do jornal Folha de S.Paulo desta segunda-feira (12). Negócios com previdência complementar privada, cartões de crédito, consórcios e seguros não estão incluídos nos cálculos.

Tarifas – As tarifas vêm crescendo sem parar desde 1996, revela o estudo dos balanços. A receita da cobrança de serviços passou de R$ 12,1 bilhões para R$ 47,5 bilhões de 1996 a 2006. A alta foi de 293%. No mesmo período, o gasto com folha de pagamento passou de R$ 24,9 bilhões para R$ 38,7 bilhões, diferença de apenas 55%. Apenas a inflação do período medida pelo IPCA foi de 92,7%. A arrecadação de tarifas equivale a 123% das despesas com pessoal. Em alguns bancos, porém, ela equivale a duas vezes o gasto.

Além disso, as instituições financeiras têm um papel importante para o crescimento econômico. A prática do maior spread do mundo – diferença entre o percentual dos juros cobrados em empréstimos e os pagos aos credores – torna o custo do dinheiro elevado demais para o setor produtivo. O cenário fica bom apenas para os bancos, cujo faturamento com empréstimos aumentou 137% em 11 anos.