Bancos lucram alto, mas extinguiram 783 postos de trabalho no 1º bimestre de 2016

20


Nos dois primeiros meses de 2016 houve fechamento de 783 postos de trabalho nos bancos em todo o País, de acordo com a Pesquisa de Emprego Bancário (PEB), divulgada dia 23/3 pela Contraf-CUT. Os estados com mais postos fechados foram São Paulo e Rio de Janeiro.


Dez estados apresentaram saldos negativos de emprego. Os maiores cortes ocorreram em São Paulo, com 668 cortes e no Rio de Janeiro, com 373 cortes. Os estados com maiores saldos positivos foram Bahia, Pernambuco e Pará, com geração de 98, 96 e 83 novos postos de trabalho bancário, respectivamente.


A análise por Setor de Atividade Econômica revelou que os Bancos Múltiplos com Carteira Comercial que engloba grandes instituições como Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil, juntamente com a Caixa Econômica Federal, foram os principais responsáveis pelo saldo negativo. Ao todo, fecharam 636 postos de trabalho. Desse total, a Caixa respondeu pelo corte de 192 postos.


Desigualdade – A pesquisa demonstrou que a desigualdade salarial entre homens e mulheres ainda faz parte da realidade do ambiente de trabalho do setor financeiro. As 2.170 mulheres admitidas nos bancos nos dois primeiros meses de 2016 receberam, em média, R$ 2.952,46. Esse valor corresponde a 78,9% da remuneração média auferida pelos homens contratados no mesmo período (de R$ 3.754,96). A diferença de remuneração entre homens e mulheres é mais acentuada no desligamento. As mulheres demitidas em janeiro e fevereiro recebiam R$ 5.266,43, o que representou 70% da remuneração média dos homens que foram desligados dos bancos no mesmo período.


Faixa Etária – Os bancários admitidos concentraram-se na faixa até 29 anos, com saldo positivo de 1.534 postos. Por sua vez, nas faixas acima dos 30 anos o saldo foi negativo em 2.317 postos de trabalho.


“O setor bancário é um dos poucos que lucram e lucram alto. Só em 2015, os cinco maiores – Itaú, Bradesco, Santander, BB e Caixa – tiveram, juntos, lucro de R$ 70 bilhões, crescimento de 16% em relação ao resultado que tiveram em 2014. Sendo assim, não têm nenhuma justificativa para cortar postos de trabalho”
Carlos Eduardo Bezerra, presidente do SEEB/CE e da Fetrafi/NE