Bancos privados começam pagamento da PLR

38

Os bancos privados começaram a pagar a segunda parcela da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor total, distribuído em duas parcelas, é o maior dos últimos anos e já beneficiou os funcionários do Citibank, Safra, Santander e Bradesco. Os bancos públicos: Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Banco do Nordeste, já anunciaram seus lucros e têm até final de março para quitar o pagamento. O BB anunciou o pagamento da segunda parcela da PLR para o dia 28/2 e a Caixa para o dia 1º/3.


A PLR é uma conquista dos bancários realizada na mesa de negociações, com grande mobilização de toda categoria. A distribuição dos lucros é uma forma de recompensar o trabalho dos funcionários que são os grandes responsáveis pelos resultados obtidos.


A funcionária do Bradesco ,Josélia Soares ressalta a importância da distribuição para o orçamento familiar. “Estou muito satisfeita. É um dinheiro a mais e ajuda a resolver algumas pendências. Mas é preciso lembrar que a PLR não é um favor dos bancos, é um direito dos bancários”, afirma.


O formato atual da PLR é uma das maiores conquistas da Campanha Nacional de 2010, representando a melhor distribuição de lucro da categoria desde 1995, quando o mecanismo foi incluído na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).


Uma parte do valor foi antecipada ano passado; já a segunda parcela, começou a ser paga neste ano. O banco Safra se adiantou e distribuiu o valor total, de uma única vez, no ano passado. “A PLR ajuda o funcionário a ter um diferencial no fim do ano. Ele pode trocar o carro, fazer uma reforma em casa ou pagar a matrícula escolar do ano todo, mas acredito que o valor poderia ser melhor em todos os bancos”, afirma Thiago Antunes, funcionário do Safra.


O Santander, além da PLR, pagou também a remuneração variável. Segundo a funcionária Valéria de Freitas, o valor de ambos foi satisfatório. “Atendeu às minhas expectativas e, pelo que vejo, às dos meus colegas de agência também”, afirma.


De acordo com a Convenção Coletiva, as instituições bancárias têm até 10 dias corridos depois da divulgação dos lucros para fazer o pagamento. Como o ano fiscal termina no dia 31 de março, os bancos têm até esta data para divulgar os resultados. Até o fechamento desta edição do jornal Tribuna Bancária, o Itaú não havia divulgado o lucro e o HSBC não informou a data do pagamento.


A regra básica prevê a distribuição de até 13% do lucro líquido das instituições na forma de 90% do salário mais R$ 1.100,80, com teto de R$ 7.181,00 (em 2009, correspondia a 90% do salário mais R$ 1.024,00, com teto de R$ 6.680,00). Caso o total distribuído por essa regra for inferior a 5% do lucro líquido, o valor deve ser aumentado até atingir esse percentual ou chegar a 2,2 salários com teto de R$ 15.798,20 (em 2009, era de R$ 14.696,00), o que ocorrer primeiro.


O maior avanço, na verdade, está no aumento do valor adicional que é pago acima do teto da PLR e sem descontos dos programas próprios de remuneração. O adicional corresponde a distribuição linear de 2% do lucro líquido, passando o teto de R$2.100 para R$2.400 (crescimento de 14,28%).

FÓRMULA DA PLR – A regra básica é de 90% do salário mais R$ 1.100,80, com teto de R$ 7.181. Caso a distribuição do lucro líquido não atinja 5% com o pagamento da regra básica, esses valores serão aumentados até chegar a 2,2 salários, com teto de R$ 15.798,20. Do valor da regra básica, houve a antecipação, no ano passado, de 54% do salário mais R$ 660,48.

ADICIONAL À PLR – 2% do lucro líquido distribuídos linearmente, no teto de R$ 2.400,00.