BANCOS PÚBLICOS SÃO ESSENCIAIS PARA A SOBERANIA DA NAÇÃO

9


“Se tivermos esse movimento de diminuição dos bancos públicos para que os privados ocupem mais largamente o mercado, as resultantes serão a concentração de riqueza e retirada do Estado das condições para impulsionar o desenvolvimento da sociedade. Isto nunca aconteceu antes no Brasil, e eu ousaria a dizer, em nenhum país do mundo”, disse o governador maranhense, Flávio Dino (PCdoB), dia 14/1, no primeiro evento de 2019 da série “Diálogos Capitais”, em São Luís, promovido pela revista Carta Capital e a Federação Nacional das Associações de Empregados da Caixa (Fenae). O tema foi “Bancos públicos sob ataque: desafios, riscos e perspectivas”.


Segundo Dino, por trás do objetivo ideológico contra os bancos públicos, está o discurso, consolidado nos últimos anos, segundo o qual “o que é público é corrupto e ineficiente, e o que é privado, é limpinho e eficiente”. O problema é que os holofotes que procuram iluminar a corrupção focam apenas a política, os políticos, o público e o Estado. “E às vezes a esquerda, o pensamento progressista embarca nessa armadilha ideológica. Se isto fosse verdade, que o sistema público é corrupto e ineficiente por natureza, ninguém estaria se ocupando em destruí-lo, porque as próprias leis de mercado obteriam este resultado”.


O governador do Maranhão ironizou os cidadãos que nos últimos anos foram às ruas vestidos de verde e amarelo contra o governo de Dilma Rousseff e a esquerda de modo geral. Ele dirigiu-se ao “cidadão brasileiro que acredita no Brasil, e que veste verde e amarelo por dentro e por fora, que não é só o retoricamente brasileiro que bate continência para os Estados Unidos” (referência ao conhecido gesto do presidente Jair Bolsonaro). “Os bancos públicos são essenciais para uma nação soberana”, acrescentou.


O presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, destacou que os números são a prova de que o desmonte dos bancos públicos significariam a retirada de ferramentas importantes para fomentar o desenvolvimento. De acordo com ele, hoje, nos 217 municípios do estado do Maranhão, a Caixa Econômica está presente em praticamente todos, com programas, como Bolsa Família, financiamentos, entre outros. “A cadeia habitacional alavanca milhões de empregos com muita rapidez e ao mesmo tempo permite que as pessoas tenham condições de vida, de moradia e de financiamento melhores”, disse.