BB assina Convenção com a maior PLR da categoria

18

O Banco do Brasil assinou dia 18/10, a Convenção Coletiva de Trabalho dos bancários, sendo cumpridas integralmente as cláusulas da Fenaban. Com o fechamento da Convenção Coletiva e a assinatura, no mesmo dia, do acordo da Participação nos Lucros e Resultados, os bancários do BB receberam a PLR na sexta-feira, dia 20/10. O benefício prevê a distribuição de 95% do salário do escriturário ou caixa (E6), ou do VR (valor de referência) dos comissionados, mais R$ 412 de parcela fixa e a distribuição linear de 4% do lucro líquido, no valor de R$ 1.814,49 para cada funcionário.
O Banco do Brasil também aceitou a reivindicação dos bancários e vai pagar o módulo acordo de trabalho (ACT) proporcional para as agências que não o cumpriram integralmente. O valor total do módulo será pago para as agências que atingirem os 400 pontos do ACT e proporcional para as agências que garantirem no mínimo 325,5 pontos.

Dias parados – O Banco do Brasil garantiu que nenhum dia da greve será descontado dos bancários. O BB e a Caixa queriam que a greve fosse encerrada na sexta-feira, mas muitos sindicatos continuavam parados com assembléias marcadas. Para acabar com o impasse, uma comissão da Contraf-CUT foi a Brasília e reuniu-se com o presidente do BB e a direção da Caixa e conseguiu que nenhum dia seja descontado, segundo Vagner Freitas, presidente da Contraf-CUT.

Segundo Marcel Barros, a Comissão de Empresa vai negociar com o BB a anistia geral dos dias parados, sem qualquer compensação. “Vamos insistir nesta reivindicação e já garantimos que os descontos efetuados na Folha de Pagamento de setembro sejam estornados”, diz. Até que sejam finalizadas as negociações sobre o tema, os bancários não devem fazer nenhum acordo de compensação com os gestores, seja de hora-extra, seja de usar banco de horas ou abono.