BNB: Negociação permanente possibilita conquistas

98

A demanda é grande, mas muitos também foram os avanços alcançados pelos funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) neste ano. Entre eles, a criação de um novo Plano de Cargos e Remuneração (PCR) e alterações no Plano de Funções, a definição de uma comissão paritária para discutir o Plano de Contribuição Definida e o pagamento da ação do Passivo Trabalhista das Promoções do Ceará. Todas essas conquistas foram fruto da mesa de negociação permanente implantada entre a Comissão Nacional dos Funcionários do BNB (CNFBNB/CNB-CUT) e a representação da instituição, que constantemente discutiu as pendências dos benebeanos.

Findo 2005, mais de 1200 funcionários entre ativos e aposentados, conseguiram, por intermédio da ação do Sindicato dos Bancários do Ceará e da Comissão dos Funcionários do BNB, receber os valores do Passivo Trabalhista das Promoções. A ação já se estendia há vários anos e finalmente, os bancários arrancaram do banco um acordo.

Outra conquista foi a definição de um Plano de Cargos e Remuneração (PCR). Uma reivindicação antiga do funcionalismo, negociada até a exaustão. Atualmente, o plano está no Departamento do Controle das Estatais (DEST), que já aprovou os moldes apresentados às assembléias: interstício de 4%, promoções de 2 e 3 anos, vigência a partir de fevereiro de 2005 e mais o Plano de Funções que será divulgado breve.

Os bancários conseguiram, ainda, a instalação de comissões paritárias para discutir o Plano de Contribuição Definida a ser administrado pela Caixa de Previdência dos Funcionários do BNB (Capef) em favor dos novos funcionários e dos que saíram da Capef; novo plano de custeio da Camed e CIN-Pessoal.

Segundo o coordenador da CNFBNB/CNBCUT e diretor do Sindicato, Tomaz de Aquino, “a unificação dos funcionários em torno de antigas bandeiras de luta da categoria foi fundamental para avançar nas conquistas e manter os direitos”. O Congresso Nacional dos funcionários do BNB foi um marco na consolidação das lutas e das prioridades do funcionalismo negociadas no ano. O evento reuniu, em Recife (PE), cerca de 120 delegados de todo o Nordeste e de outras regiões em que há unidades do banco.

Apesar dos avanços, Aquino alerta que muito ainda tem que se fazer. O sindicalista espera que os benebeanos prossigam unidos com o Sindicato nas suas reivindicações em 2006 na busca por melhores condições de trabalho e emprego. E conclui, além de ganhos reais nos salários, a quitação de outro grande Passivo Trabalhista (equiparação às comissões do BB), retorno judicial de benefícios como a licença-prêmio e a implantação do Plano de Previdência da Capef serão algumas prioridades do Sindicato e Comissão Nacional para o ano de 2006.