Bradesco bate recorde de lucro, assédio e pressão

27


O Bradesco anunciou na última quinta-feira, dia 28/1, o lucro líquido gerencial de R$ 17.873 bilhões, com crescimento de 16,4% em relação a 2014. Mesmo com o 2º melhor resultado da história de um banco, o Bradesco não tem respeitado seus trabalhadores e clientes.


Durante o ano de 2015, exterminou 2.659 postos de trabalho, desempregando pais de família, deixando as unidades lotadas de clientes, abarrotadas de serviço e com os bancários sobreviventes sobrecarregados, sofrendo uma pressão violenta e muitos colegas adoecendo, seja por problemas motores (LER/DORT) e/ou psicológicos.


O Bradesco vem promovendo um verdadeiro retrocesso social e desrespeitando as normas trabalhistas, como o acúmulo de tarefas, transporte de numerário por bancários, desvio de funções, assédio moral, ameaças de desemprego, entre outras tantas.


O pior de tudo é o clima de terror instalado nos ambientes internos das unidades, causando pânico, incertezas e mexendo com o sistema nervoso dos empregados.