Bradesco: em campanha nacional, bancários exigem valorização pelo banco

33

A Campanha de Valorização dos Funcionários do Bradesco entra em mais um ano mobilizando os funcionários em todo o País. O tema neste ano é “Reino da Presença”, numa alusão à realidade dura que os bancários enfrentam na sua rotina de trabalho em contraposição ao que prega a publicidade do banco. Para mudar essa situação, é preciso valorização de fato, e isso quer dizer: melhores condições de trabalho; mais contratações para diminuir o ritmo intenso de trabalho a que os bancários são submetidos diariamente; fim das metas abusivas e do assédio moral; melhor remuneração; auxílio educação; Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) justo, transparente e democrático; além de outras reivindicações constantes da nossa minuta específica.


“Estar lado a lado é ter presença de fato no dia a dia do trabalhador, que quer ser um funcionário ‘completo’. É ouvir suas necessidades e reivindicações e apresentar propostas que atendam às expectativas de melhores condições de trabalho e salário. Isso está ao alcance do Bradesco, por isso a campanha de mobilização permanente”, afirma Elaine Cutis, coordenadora da Comissão de Organização dos Funcionários do Bradesco, órgão da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) que assessora as negociações com o banco.


Ganhos Para todos – Os expressivos resultados do banco mostram que as reivindicações dos bancários podem e devem ser atendidas. Somente no primeiro trimestre deste ano, o Bradesco registrou lucro líquido de R$ 2,702 bilhões, resultado 28,5% acima do contabilizado no mesmo período do ano passado.


Para Telmo Nunes, diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e funcionário do Bradesco, “é preciso que a empresa valorize seus funcionários, que são os maiores responsáveis por estes ganhos excepcionais do banco. A valorização dos trabalhadores também é boa para a empresa, uma vez que estudos mostram que satisfação nas relações de trabalho se traduz em rendimento”.


O dirigente sindical lembra ainda que todos os direitos que os bancários têm hoje, como licença-maternidade, vale-refeição e alimentação entre outros, foram conquistas que a categoria obteve com luta e mobilização.