Caixa assina acordo, mas a luta continua por mais contratações

25


A Contraf-CUT, federações e sindicatos assinaram no dia 3/11, o acordo coletivo da Caixa Econômica Federal, aditivo à CCT. O documento segue a Fenaban e mais PLR adicional de 4% do lucro, distribuída igualmente. Durante a assinatura, a Caixa anunciou que até 20 de novembro pagará as diferenças relativas a salários e vales refeição e alimentação.


Destacam-se a suspensão da terceira onda do programa de Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP), fim dos 15 minutos de pausa para mulheres antecedendo a jornada extraordinária (em localidades onde não existem ações judiciais), retorno do adiantamento odontológico (a partir de janeiro de 2016), devolução dos dias descontados em mobilizações em defesa da Caixa 100% Pública e contra a terceirização, e promoção por mérito para 2017, no plano de carreira.


Para Marcos Saraiva, diretor do SEEB/CE e membro da CEE/Caixa, “a luta dos empregados vai continuar, pois a Caixa nos deve a contratação de mais 2 mil trabalhadores, do acordo do ano passado. Nos deve também a substituição do efeito cascata, quando sai um gerente ou um gestor em férias ou licença, pois recentemente a Caixa cortou substituições e alguém tem que fazer este trabalho sem estar recebendo por isso. Deve ainda suspensão da GDP – Gestão de Pessoas, para todos os níveis” afirmou, lembrando que é preciso reforçar a luta contra o assédio moral e por melhores condições de trabalho.