Caixa usa poder coercitivo e da truculência para abrir unidades no sábado

22

O Sindicato dos Bancários do Ceará fez manifestação de protesto na porta da unidade da Caixa Econômica Federal da Praça do Ferreira, no dia 12/5. Durante toda a manhã, dirigentes sindicais denunciaram a medida ilegal e absurda da direção da Caixa de abrir agências em todo o Estado, em pleno sábado. O protesto veio após o Sindicato conquistar uma liminar na Justiça do Trabalho em Fortaleza para impedir a abertura das agências da Caixa no sábado e ver essa liminar cair, por decisão do desembargador Paulo Régis Machado Botelho, do Tribunal Regional do Trabalho (7ª Região), numa demonstração do poder coercitivo da Caixa levado a efeito na calada da madrugada de sexta-feira para sábado.


Em sua fala, o diretor do Sindicato, Marcos Saraiva, criticou e denunciou que “essa é uma agressão ao direito de descanso dos trabalhadores do banco. A jornada legal dos bancários é de seis horas, de segunda a sexta-feira, conforme a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Essa jogada de marketing da Caixa contraria os direitos dos empregados. A Caixa deveria, sim, abrir novas agências, contratar mais empregados e não violar a Convenção Coletiva dos Bancários”.


Para Marcos Saraiva, “não há qualquer justificativa plausível para essa medida que só prejudica o descanso dos empregados da Caixa. Pois os mesmos já suportaram uma carga horária excessiva de trabalho de segunda a sexta”.


A Caixa acusa que o trabalho ao sábado é voluntário, mas informações dos bancários em diversas agências dão conta que o poder do chicote continua. Teve gerente da Caixa em Fortaleza que disse: “quem manda aqui sou eu e vou abrir de qualquer maneira”. Ou seja, para o trabalho no sábado os empregados foram escalados e ameaçados.


Por força de liminar, não abriram as agências de Caixa no sábado, dia 12/5, em Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.