Caixas do Banco do Brasil continuam trabalhando no caos

13


O Sindicato dos Bancários do Ceará esteve reunido com os representantes da Plataforma de Suporte Operacional (PSO) e da Gepes do Banco do Brasil, no dia 4/4, em Fortaleza, levando denúncias recebidas dos bancários, especialmente pelos problemas de jornada de trabalho e saúde gerados pela Plataforma.


Segundo o presidente do SEEB/CE, Carlos Eduardo Bezerra, “o Banco do Brasil tem sido incompetente em atender a população de forma decente e com condições de trabalho dignas para caixas e gerentes. Faltam muitos caixas, em todas as agências e os afastamentos por adoecimento continuam aumentando de forma crônica. A extrapolação da jornada virou regra”, disse. “O PSO é uma bomba que a direção do banco escolhe ver explodir trazendo prejuízos irreparáveis aos trabalhadores e a sociedade”, analisa o diretor do Sindicato, Bosco Mota.


“Além disso, o banco criou um apartheid entre funcionários de agências e aqueles inclusos na PSO. Os clientes não têm obrigação de aceitar este desrespeito. Funcionários da agência não podem ajudar os caixas e vice versa, apesar de todos estarem no mesmo local de trabalho”, analisa a diretora do SEEB/CE, Léa Albuquerque.


“Essa lógica, além de falha, torna incompetente qualquer gestão, pois mostra-se extremamente difícil  de cumprir a missão do banco em trazer satisfação dos direitos dos clientes e respeito aos funcionários”, ressalta o diretor do SEEB/CE, Gustavo Tabatinga.


Segundo denúncias, as mudanças de locais de trabalho podem ocorrer, inclusive no mesmo dia e com permanente extrapolação de jornada. Segundo os representantes do BB, isso é uma exceção, o que é negado pelos bancários que afirmam que essa exceção virou a regra.


Com sete meses de implantação no Ceará, a PSO tem registrado problemas de extrapolação de jornada, adoecimento, sobrecarga de trabalho, inclusive com documentos comprobatórios internos. Atualmente fazem parte da Plataforma 168 caixas do Banco do Brasil, o que, para os representantes do banco, é ter que administrar a escassez.


Após ouvir as denúncias dos bancários feitas através do Sindicato, o Banco do Brasil prometeu analisar e posteriormente, em nova reunião com os representantes da categoria, dará a solução para os casos


Os bancários denunciar para a Ouvidoria Interna do BB (ouvidoriainterna@bb.com.br ou 61-3108 7488) com cópia para o Sindicato (bancariosce@bancariosce.org.br ou 85-3252 4266) para, de forma qualificada, provar o caos e garantir as condições para solução dos problemas.