Câncer tem tratamento humanizado no Centro Pediátrico da Associação Peter Pan

34

A Associação Peter Pan inaugurou no final de outubro, o Centro Pediátrico do Câncer destinado ao atendimento de crianças e adolescentes com câncer do Ceará. De acordo com a Assessoria de Imprensa da APP, o local terá redução significativa do índice de infecção hospitalar, pois não dividirá espaços com outras patologias. A obra, iniciada em maio de 2004, foi viabilizada através de doações, parcerias com a iniciativa privada e de recursos que totalizaram mais de R$ 8,4 milhões.


Com uma área de 3.270 metros quadrados, o Centro Pediátrico do Câncer é composto de 69 leitos. Cumprida a proposta de atendimento humanizado da Associação Peter Pan, no CPC a decoração é temática, há brinquedoteca e atendimento psicológico. São leitos Quimioterapia Dia e leitos destinados à internação, UTIs, consultórios médicos, espaço do adolescente, brinquedoteca, projeto ABC + Saúde, playground, jardins, atendimento psicológico e demais serviços hospitalares.


A unidade funciona como anexo do Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), que responde pelo aparelhamento, corpo clínico, mão de obra, medicamentos e custeio necessário para o funcionamento. O investimento do Hias na compra de materiais – que vão desde eletroeletrônicos e móveis até mesa cirúrgica e desfibrilador – foi de quase R$ 1,5 milhão.


HISTÓRIA – Em 1996, o Hospital Infantil Albert Sabin recebeu visitas de um grupo de pessoas que levavam um pouco de alegria aos pequenos pacientes, através de distribuição de brinquedos, jogos e brincadeiras. Indagada sobre quem eram essas pessoas, a presidente da Associação Peter Pan, Olga Lúcia Freire Maia afirmou que os rostos e os nomes não são decisivos. Ela disse que “talvez o anonimato seja o principal valor da Associação Peter Pan”.


Ainda naquele ano foi apresentada à direção do Hospital a proposta para a criação da Fundação Peter Pan, concretizada em 7 de abril de 1997. Em 2000, foi criado o Hospital Dia Peter Pan com o objetivo de prestar tratamento de quimioterapia em nível ambulatorial, às crianças que estavam em melhor estado de saúde e não necessitavam de internação para continuar o tratamento.

PROJETOS QUE FAZEM A DIFERENÇA – Atuando em 20 projetos, o atendimento humanizado feito pela APP visa diminuir o sofrimento dos pequenos pacientes e de seus parentes. Segundo a coordenadora da equipe de voluntariado, na brinquedoteca, as crianças são estimuladas a brincarem livremente e acompanhadas por terapeutas ocupacionais, são incentivadas a criarem laços com o ambiente de tratamento. As crianças têm à disposição diversos brinquedos, jogos interativos, fantasias de personagens de desenhos animados.


No ABC + Saúde, por exemplo, uma pedagoga ajuda as crianças a não perderem o amor pelo aprendizado, resgatando um pouco do ambiente escolar, do qual o paciente às vezes tem que se afastar.


A música tem espaço na APP. Através do Arte e Alegria, as crianças e os adolescentes são estimulados a desenvolver a percepção rítmica, auditiva e gráfica.


No Apadrinhamento, a APP recebe a doação de uma cesta básica mensal, usada para o reforço nutricional. Já no Amigo Peter Pan, o doador ajuda com transporte, medicamentos e apoio para viagens para transplante de medula óssea. Um dos trabalhos de grande importância é o Visita Amiga. Neste projeto, a APP realiza visitas domiciliares, objetivando conhecer as necessidades sócio-econômicas das famílias. Esta ação possibilita que a APP viabilize soluções como continuidade do tratamento e reformas para melhoria das condições habitacionais e essenciais à saúde.


Para a costureira Aurinete Pires Moraes, 35, a Associação Peter Pan está sendo fundamental para o tratamento do câncer de M. P.L de 15 anos. “A gente chega aqui e é bem acolhido, só tenho que agradecer”, disse. Ela afirmou que a filha amputou a perna direita e já operou os dois pulmões. “Aqui tem todo um acompanhamento da psicóloga, a Associação oferece cesta básica e até ganhamos ventilador e colchão”, destacou Aurinete, que disse ainda que a filha participa do Programa Jovem Aprendiz e faz o curso de Operador em Telemarketing.


Sem parcerias, dificilmente o trabalho da Associação Peter Pan continuaria. Segundo a presidente Olga Lúcia, a APP tem convênio com o Governo do Estado, através do Hospital Infantil Albert Sabin, com os empresários e com as pessoas. “A gente vê no mundo as corrupções, os dinheiros nas malas, as tragédias. Isso está ficando cada vez mais no passado. Nós queremos construir um mundo novo, fazendo para outro o que a gente quer que fizessem por nós”, comentou a presidente da APP. Para ajudar na arrecadação de recursos, na sede da APP há o bazar onde são vendidos camisas, bolsas, travesseiros.


Serviço: Quem desejar ajudar, pode entrar em contato com o tele-marketing da Associação Peter Pan, pelos telefones 3402 7900 / 3402-7917. As doações podem ser feitas através de depósito na Caixa Econômica Federal, agência nº1276 – conta nº 10-7 ou no Banco do Brasil, ag. Nº 3140-2, conta nº 30100-0.

CÂNCER INFANTIL


De acordo com informações no site http://www.albertsabin.ce.gov.br, existem cerca de 200 a 250 novos casos de câncer infantil no Ceará e 500 pacientes em acompanhamento. Informações do Ministério da Saúde explicam que o termo câncer é utilizado genericamente para representar um conjunto de mais de 100 doenças, incluindo tumores malignos de diferentes localizações. Importante causa de doença e morte no Brasil, desde 2003, as neoplasias malignas constituem-se na segunda causa de morte na população, representando quase 17% dos óbitos de causa conhecida, notificados em 2007 no Sistema de Informações sobre Mortalidade.


Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), com base em referências dos registros de base populacional, são estimados mais de 9 mil novos casos de câncer infanto-juvenil por ano, no Brasil. No País, este tipo de câncer já representa a primeira causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, para todas as regiões.


De acordo com especialistas, a capacidade de reprodução das células nas crianças é maior do que nas de adultos. A demora no diagnóstico preciso pode interferir no sucesso do tratamento. De acordo com dados do Ministério da Saúde, cerca de 70% das crianças com alguma espécie de câncer podem ser curadas se a doença for diagnosticada rapidamente e tratada de forma correta, em centros especializados.