Cerca de 115 mil bancários aderem à Greve Geral no País

34


A categoria bancária aderiu à Greve Geral do dia 28 de abril, convocada pela CUT e demais centrais sindicais e pela Frente Brasil Popular, contra a Lei das Terceirizações e contra as propostas de reforma trabalhista e da Previdência, além de mais de 50 projetos em tramitação no Congresso Nacional que retiram direitos dos trabalhadores. No Brasil, cerca de 115 mil bancários e 13 mil agências paralisaram, numa demonstração clara de consciência do trabalhador bancário, organizados em sindicatos.


No Ceará, cerca de dois mil bancários aderiram à Greve Geral de 28 de abril, dos cerca de 10 mil do estado. Houve paralisação de cerca de 110 unidades bancárias, das 562 unidades em todo o estado. Mais de 400 bancários saíram dos municípios da Região Metropolitana para participar do movimento em Fortaleza.


A reforma trabalhista está sendo feita de forma apressada e atinge o conjunto da sociedade brasileira. A pergunta é: quantos empregos serão gerados aumentando a jornada para 12 horas, e quantos empregos serão gerados com a redução do almoço para 30 minutos? Nenhum. Isso os bancários e a sociedade entenderam e foram pras ruas junto com as centrais sindicais para protestar contra essas reformas.

 


Ataques não nos intimidam!


No dia da Greve Geral, Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Estado do Ceará, assim como alguns manifestantes foram atacados pela Polícia ao reunir trabalhadores dos ônibus numa garagem, em Fortaleza.


Alguns policiais a favor dos patrões atingiram as pessoas com spray de pimenta, mesmo sendo um movimento pacífico, reunindo em sua maioria, operários, servidores, mulheres, homens, jovens e idosos. Mas acreditamos no poder da resistência. A luta vai continuar!