COE exige do Itaú/Unibanco emprego e PCR para todos

23

A Contraf-CUT e a Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú/Unibanco reuniram-se na quinta-feira, 28/5, em São Paulo, com a direção do banco para prosseguir as negociações frente ao processo de fusão atualmente em curso. Estiveram na pauta a garantia de emprego, central de realocação, PCR (Participação Complementar nos Resultados) e equalização de direitos. A próxima rodada de negociação será no dia 9/6 às 14h.


Em relação à PCR, o banco assegurou que este ano o programa será estendido a todos os funcionários dos dois bancos. No início da rodada de negociação, os representantes do Itaú/Unibanco tentaram condicionar esse debate à discussão da PLR na Fenaban, que também está em curso.


“Argumentamos que esta discussão é específica com o banco e não faz parte da mesa com a Fenaban. Acabaram aceitando, o que foi um avanço na negociação, já que contemplará a totalidade dos bancários dos dois bancos”, afirmou Ribamar Pacheco, representante da Fetec/NE na COE/Itaú. O debate sobre os valores e indicadores será realizado nas próximas negociações.

CENTRO DE REALOCAÇÃO – Este espaço é uma conquista e durante a apresentação por parte do banco, das pessoas já realocadas, a extratificação é a seguinte: de um total de 1.437 pessoas, 1.135 já foram realocadas (destas 505 em agências; 291 em cartões de crédito e financeiras; 160 em empresas da holding; e 179 em demais locais) e 302 estão em processo de realocação.


Durante a apresentação do Centro de Realocação pela direção do Itaú-Unibanco, os dirigentes sindicais questionaram o banco sobre a dificuldade que muitos funcionários dos dois bancos estão tendo para acessar no sistema a localização das vagas disponíveis. A empresa assumiu o compromisso de solucionar o problema. Também foi cobrado pelo movimento sindical mais postos de trabalho nas agências do Itaú/Unibanco.

Outras reivindicações – A Contraf-CUT e a Comissão de Organização dos Empregados também cobraram do Itaú/Unibanco garantias de preservação dos direitos dos bancários dos dois bancos, aí incluída a manutenção do IAPP (Unibanco), que é quem subsidia a taxa do crédito imobiliário e do seguro de automóvel, entre outras coisas. Os representantes da empresa disseram que esses benefícios continuam em vigor. Outro assunto discutido foi o Plano de Cargos e Salários (PCS), como também foi reiterada a exigência para a substituição imediata da prestadora dos serviços odontológicos do plano, no caso a Interondonto, o que o banco ficou de levantar no mercado o nome de uma substituta.