Coletivo de Mulheres realiza planejamento de ações para 2014

4


No sábado, 15/3, o Coletivo de Mulheres do Sindicato dos Bancários do Ceará realizou o seu planejamento para o ano de 2014. Entre as principais ações sugeridas estão a realização de um mapeamento da desigualdade de gênero nos bancos do Estado; fortalecer a luta por plano de cargos e salários em todos os bancos; cursos de formação política e de capacitação voltados para a atuação da mulher no mercado de trabalho; trabalhar a auto-estima feminina, entre outras.


Os trabalhos iniciaram com a análise da nota técnica do Dieese “Desigualdade de gênero nos bancos”, de novembro/12, informando que apesar de as mulheres já serem quase metade dos trabalhadores bancários (48,7%) e possuírem alta escolaridade (72,8%), ainda recebem 23,9% menos do que os homens. O estudo demonstra ainda que as maiores disparidades salariais ocorrem nos bancos privados, onde também a rotatividade é maior e a média de idade menor. O coordenador da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) do Dieese/CE, Ediran Teixeira, auxiliou na avaliação do documento.


“É importante que vocês percebam que não é só nos bancos que isso acontece, mas na sociedade como um todo, que ainda é muito machista nesse sentido. A mulher que se insere no mercado de trabalho tem de provar duas vezes que é capaz e cabe a vocês do movimento sindical e dos movimentos sociais de mulheres mudarem essa realidade”, disse Ediran.


“Além disso, nós mulheres temos a jornada dupla, porque temos que ser trabalhadoras, donas de casa, mães, esposas, e damos conta de tudo. Está mais do que provado que a mulher pode ocupar qualquer espaço e nós estamos aqui para provar isso”, destacou a diretora do Sindicato e integrante do Coletivo de Mulheres, Ieda Marques.


Confira os principais encaminhamentos para as ações do Coletivo em 2014


• Mapeamento da desigualdade de gênero no setor bancário no Ceará;


• Trabalhar a auto-estima feminina no ambiente de trabalho através de palestras e encontros;


• Ressaltar a importância de se denunciar irregularidades cometidas por gestores que envolvam desigualdade de gênero;


• Reforçar a luta pela implantação de Planos de Cargos e Salários em todos os bancos para inibir distorções salariais;


• Coibir qualquer tipo de assédio, independente do gênero;


• Lutar por critérios de promoção transparentes em todos os bancos;


• Realização de cursos de formação política para mulheres que desejem entrar no campo sindical;


• Realização de cursos de gestão como coaching voltados para a capacitação da mulher;


• Espaço regular nos meios de comunicação do Sindicato enfatizando a conscientização da mulher;


• Realização de reuniões mais frequentes envolvendo o Coletivo de Mulheres.


“Esse foi um momento muito importante para o Coletivo de Mulheres, não só pelo planejamento, mas pela integração e participação da categoria. Isso mostra a força da mulher bancária e fortalece a nossa disposição em construir um mundo melhor para todos e todas”
Rita Ferreira, diretora do Sindicato e integrante do Coletivo de Mulheres