Comando entrega reivindicações à Fenaban e inicia negociações dia 8/8

13


O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, entregou na terça-feira, 30/7, à Fenaban, em São Paulo, a pauta de reivindicações da Campanha Nacional 2013, aprovada pela 15ª Conferência Nacional dos Bancários, realizada de 19 a 21/7. A primeira rodada de negociações já está marcada para o dia 8/8, sobre o bloco condições de trabalho, que envolve saúde do trabalhador, metas abusivas, assédio moral e segurança bancária.


Na sequência da reunião com a Fenaban, o Comando Nacional também entregou as pautas de reivindicações específicas às direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. A primeira rodada de negociações com o BB foi marcada para 14/8, também sobre o tema saúde e condições de trabalho. Com a Caixa, o calendário de negociações será definido nos próximos dias.


A Campanha Nacional dos Bancários deste ano tem como eixos centrais reajuste de 11,93% (inflação projetada do período mais aumento real de 5%), elevação do piso salarial ao valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 2.860,21), defesa do emprego, fim da terceirização e combate às metas abusivas e ao assédio moral.


‘Sociedade está indignada com injustiças’ – “A campanha nacional deste ano ocorre em um momento importante e rico de significados, em que a sociedade vem manifestando sua indignação com toda forma de injustiça, está indo às ruas e obtendo importantes conquistas”, disse na abertura da reunião o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, Carlos Cordeiro. A mesa da Fenaban foi coordenada pelo presidente Murilo Portugal. O presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará e da Fetrafi/NE, Carlos Eduardo Bezerra, também esteve presente à entrega das pautas.


“Construímos durante a Conferência Nacional dos Bancários e os Congressos Nacionais do BB e da CEF pauta que refletem verdadeiramente os anseios dos bancários. Esperamos que da parte dos banqueiros haja seriedade em negociar as justas reivindicações dos trabalhadores”, analisou o dirigente cearense.


“A conjuntura também é favorável para a campanha dos bancários por conta dos balanços dos bancos, mostrando que a situação do sistema financeiro é muito sólida. Os resultados são invejáveis, com aumento dos lucros e rentabilidade na casa dos 18%, acima dos outros setores da economia e do sistema financeiro internacional”, acrescentou Carlos Cordeiro. “Os bancos precisam dar a sua contribuição para transformar o Brasil num país menos injusto. É, portanto, um momento favorável para que ousemos e avancemos nas conquistas dos bancários, com o fim das demissões e da rotatividade, mais contratações, aumento real de salário e valorização do piso e da PLR, melhores condições de trabalho e combate ao assédio moral e às metas abusivas”, reivindicou o presidente da Contraf-CUT.


Ele avisou ainda a Fenaban que os bancários estão mobilizados por outros temas da conjuntura nacional, que não tem relação direta com a campanha nacional mas sim com o futuro da categoria, como o combate ao PL 4330, que legaliza a terceirização e aumenta a precarização do trabalho no Brasil.


Negociação começa dia 8/8 – Por sugestão da Contraf-CUT, a primeira rodada de negociação, no dia 8/8, será sobre condições de trabalho. Por julgar que um dia é pouco, a Confederação propôs que as negociações sobre o tema continuem no dia 9/8. O coordenador da mesa da Fenaban disse que vai consultar os bancos e dará retorno. O calendário geral das negociações será acertado na reunião do dia 8/8.


Banco do Brasil e Caixa – Após a reunião com a direção da Fenaban, o Comando Nacional entregou separadamente as pautas de reivindicações dos funcionários do BB e dos empregados da Caixa aos representantes dos dois bancos públicos federais.


A pauta específica do BB foi aprovada pelo 24º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, realizado de 17 a 19/5, e está centrada no combate ao plano de funções comissionadas, ao assédio moral, às práticas antissindicais e às péssimas condições de trabalho.


Já a pauta específica da Caixa foi aprovada pelo 29º Congresso Nacional dos Empregados (Conecef), também realizado de 17 a 19/5, e tem como eixos principais saúde do trabalhador, condições de trabalho e Saúde Caixa, segurança bancária, carreira e condições de funcionamento das agências, papel social da Caixa, contratação, isonomia, Sipon e jornada de trabalho, e questões que tratam da Funcef e aposentados.


As principais reivindicações da Campanha Nacional dos Bancários 2013


• Reajuste salarial de 11,93%, composto de 5% de aumento real, além da inflação projetada de 6,6%.


• PLR: três salários mais R$ 5.553,15.


• Piso: R$ 2.860,21 (salário mínimo do Dieese).


• Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 678 ao mês para cada (salário mínimo nacional).


• Melhores condições de trabalho, com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoece os bancários.


• Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, especialmente ao PL 4330 que precariza as condições de trabalho, além da aprovação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.


• Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.


• Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós-graduação.


• Prevenção contra assaltos e sequestros, com o fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.


• Igualdade de oportunidades para bancários e bancárias, com a contratação de pelo menos 20% de trabalhadores afro-descendentes.